fbpx

Portal Methodus

9 Dicas de manutenção preventiva para motocicletas

Matéria cedida por: Vedamotors.

Muitas pessoas tendem a ignorar ou postergar a manutenção preventiva das suas motocicletas, o que muitas vezes acontece não por relaxamento, mas sim por falta de informações. 

Saber sobre a importância de fazer a correta manutenção na sua motocicleta é algo que pode livrar você de danos irrecuperáveis que impactam diretamente no seu bolso.

Por isso, no artigo de hoje vamos falar sobre manutenção preventiva, apontando os produtos que mais causam problemas e como se prevenir para que alguns problemas a longo prazo não ocorram.

Fique conosco até o final para descobrir tudo o que você precisa saber sobre esse assunto! 

 

Óleo do motor

O intervalo de troca de óleo indicado pelo fabricante deve ser seguido, podendo até ocorrer antes do recomendado. 

Em motos menores, o intervalo de troca geralmente é bem mais curto. Independente da quilometragem, verifique semanalmente o nível do óleo pela vareta (ou visor no bloco do motor).

Além disso, respeite a indicação do fabricante quanto ao tipo e viscosidade do lubrificante. Ideal é sempre trocar o filtro do óleo, para que os resíduos nele restantes não se juntem ao novo óleo.

Outro cuidado é em relação ao tempo de troca de óleo, em motos que rodam pouco, independentemente da quilometragem. A cada 6 meses o óleo deve ser substituído!

 

Filtro de ar

O filtro de ar é responsável por filtrar as impurezas contidas na estrada ou na cidade, impedindo que elas entrem no motor. 

Alguns filtros são isentos de manutenção e outros podem ser removidos e lavados.

Não existe um momento exato para se fazer a troca do filtro de ar em uma motocicleta. 

A recomendação é a sua inspeção a cada troca de óleo do motor e, se necessário, a sua substituição.

 

Vela de ignição

Quando a vela está gasta, ela causa uma perda de potência do motor, aumento do consumo, e emissão maior de poluentes.

Verifique no manual da sua moto qual é a quilometragem para substituição. Recomenda-se analisá-las a cada 3000 km, e verificar a folga entre os eletrodos central e lateral utilizando um calibre de lâminas.

Se necessário, ajuste a folga dobrando cuidadosamente o eletrodo lateral utilizando a folga de acordo com as especificações do fabricante.

 

Ajuste e lubrificação na corrente de transmissão

A grande maioria dos fabricantes de motos recomenda que os proprietários providenciem a lubrificação de suas correntes a cada 500 quilômetros

A lubrificação da corrente é um procedimento simples, mas muito importante, porque evita o desgaste da peça e aumenta sua vida útil e confiabilidade.

Quando fizer a lubrificação da corrente, aproveite para observar se ela está frouxa ou bem ajustada. 

Ajustar a corrente de transmissão da moto pode evitar acidentes sérios, que costumam ocorrer quando o piloto está em alta velocidade. 

O manual do proprietário indica qual é a medida — em centímetros — da folga máxima tolerada na corrente e quando será necessário providenciar o ajuste.

 

Calibragem e inspeção dos pneus

A calibragem dos pneus da moto interfere diretamente em diversos aspectos da mecânica e desempenho da moto, como consumo de combustível, segurança do veículo e boa performance do motor.

Ao calibrar os pneus da moto é importante pensar onde será a principal via de locomoção. A recomendação é de que a calibragem dos pneus da moto seja feita quinzenalmente, ou então quando se verifica a necessidade de alterar a pressão anteriormente calibrada. 

Os fabricantes fornecem todas as informações relativas à pressão que deve ser utilizada e suas variações, por isso é muito importante ler o manual do proprietário.

Outro ponto bem importante quanto ao desgaste dos pneus, é constantemente inspecionar os sulcos do pneu, para que não cheguem ao limite de uso, porque isso pode causar problemas, especialmente em dias chuvosos, quando os mesmos perdem aderência.

 

Freios

A checagem e troca das pastilhas (e sapatas) de freio é um cuidado essencial. O melhor é verificar o estado das pastilhas todo mês. Isso pode ser feito visualmente, olhando nas pinças de freio, ou mesmo pelo nível do reservatório do fluído.

Se estiver muito baixo, indica que as pastilhas já se desgastaram bastante. Se ouvir barulho de metal contra metal, vá logo para a oficina e use o mínimo de freio. 

Quando isso ocorre, além das pastilhas, provavelmente o disco também precisará ser trocado. Da mesma forma, ruídos metálicos no freio traseiro indicam que as lonas de freio acabaram.

Por isso as mesmas devem ser verificadas constantemente. Verifique a posição do indicador de desgaste quando o pedal do freio é aplicado. Se a seta da placa indicadora ficar alinhada com a marca “▲” no espelho de freio, inspecione o tambor do freio e substitua as sapatas de freio.

 

Rolamentos de roda

Rolamentos de roda são componentes robustos, mas dependendo da quilometragem e até do peso da moto, há alguns sinais que sugerem desgaste excessivo. Um deles é um ruído que parece vir dos freios.

Para avaliar o estado dos rolamentos, basta mover cada roda para os lados (longitudinalmente) com a moto parada, à procura de folgas. Se existirem, é sinal de que os rolamentos devem ser trocados. 

Um rolamento danificado pode ocasionar travamento da roda e, por consequência, um sério acidente.

 

Cabos de freio, embreagem e acelerador

Para uma maior vida útil e maior conforto na pilotagem, os cabos de freio, embreagem e acelerador devem ser lubrificados regularmente. Caso não sejam lubrificados, os cabos podem enferrujar e até romper. Além disso, é preciso estar sempre atento para que a regulagem esteja sempre correta.

ATENÇÃO!

Além do desgaste natural das peças, vícios de pilotagem contribuem para que os cabos sofram desgaste prematuro. Evite as “arrancadas” e manobras muito radicais. Solte a embreagem sempre de forma suave e acelere progressivamente.

 

 

Bateria

1. Sempre dê partidas curtas, entre 5 e 7 segundos;

2. Evite deixar as luzes dos faróis acesas, ou qualquer equipamento ligado quando o veículo não estiver em funcionamento;

3. Normalmente, a bateria perde carga após um período prolongado sem uso. Portanto, caso o veículo não seja utilizado por um longo período, convém desconectar o cabo negativo;

4. Sempre verificar o aperto dos terminais e se não há corrosão nos mesmos.

 

Tipos de baterias:

1. Bateria selada: Não requer manutenção.

2. Bateria não selada: Requer manutenção e se necessário completar com fluido até os níveis demarcados na carcaça da bateria. Somente utilizar água destilada.

 

 

E aí? Gostou do conteúdo? Esperamos que realmente tenhamos ajudado você com o seu dia a dia, e que esse conteúdo possa evitar que você tenha problemas que poderiam causar grandes dores de cabeça! 

Se ainda tiver alguma pergunta sobre manutenção preventiva de motocicletas, deixe nos comentários que ficaremos felizes em responder assim que possível.

Até a próxima! 

 

compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Veja também:

%d blogueiros gostam disto: