5 Dicas de gestão para empresa familiar

5 Dicas de gestão para empresa familiar

*Matéria cedida por: Magnetron Motos

A empresa familiar é uma das formas de negócio que predominam no mundo. Mas unir a família e a empresa pode trazer mais desafios para a administração do que você imagina. De nada adianta um negócio familiar gerar lucro, seja ele pequeno ou grande, sem uma administração organizada. 

No post de hoje, vamos mostrar alguns cuidados e medidas para manter sua empresa familiar funcionando bem. Confira! 

 

1. Defina funções e rendimentos na empresa familiar

Cada pessoa é importante para garantir o funcionamento das atividades de uma empresa familiar, mas é fundamental que todos saibam a sua função, caso contrário, você pode se deparar com alguns problemas.

Por se tratar de um ambiente familiar, essa confusão acaba se tornando mais comum do que deveria e precisa ser corrigida o mais rápido possível! Assim como qualquer outro negócio, definir os cargos e funções é um dos principais passos para que as tarefas sejam realizadas.

Além das atribuições e responsabilidades, todos devem ter um salário equilibrado, de acordo com as atividades desenvolvidas. O familiar deve saber que será cobrado por resultados, assim como qualquer colaborador.

 

2. Invista em especialização e capacitação

Ter uma empresa em família é um grande desafio, pois muitas pessoas não conseguem separar os laços familiares dos negócios. Não é porque você trabalha com pessoas de confiança que não precisa capacitar sua equipe para trabalhar e desenvolver bem as atividades. 

É importante entender que, para alcançar uma boa qualificação, ninguém precisa, necessariamente, realizar uma graduação. A empresa pode indicar cursos rápidos ou especializações disponíveis na internet. 

Assim, eles podem acessar o conhecimento e conteúdo necessário em pouco tempo. Esse tipo de iniciativa pode fazer uma grande diferença nos resultados da empresa no médio e longo prazo.

 

3. Cuide das finanças da empresa

Realizar uma boa gestão financeira pode ser a chave para o sucesso do seu negócio. Um dos principais motivos que levam à falência é a má administração, principalmente, quando falamos de empresas familiares.

Você precisa definir e controlar as entradas e saídas, os custos fixos, assim como despesas que não estavam previstas. Desse jeito, é possível saber, com segurança, onde o dinheiro está sendo gasto e avaliar se é possível diminuir custos e identificar se alguma das áreas está cometendo desperdício.

 

4. Alinhe as expectativas e interesses

Ao misturar a família com os negócios, geralmente, você vai lidar com opiniões ou interesses contraditórios. Não é por se tratar de um negócio em família, que cada decisão deve deixar todo mundo satisfeito. 

Na maioria das vezes, é necessário deixar em primeiro lugar os interesses da organização, e não o que cada funcionário pensa sobre o local.

 

5. Crie um conselho administrativo e discuta as decisões

Um dos principais caminhos para definir regras e critérios é criar um conselho administrativo

Nesse espaço, a empresa pode garantir que a opinião de todos seja ouvida, realizando reuniões periódicas, onde o conselho deve discutir assuntos importantes para o bom funcionamento e o futuro da empresa, além de resolver conflitos e reajustar objetivos e valores em comum.

O segredo para a gestão de uma empresa familiar é saber separar os assuntos pessoais dos profissionais. Aplique todas as dicas citadas neste artigo e mantenha seu negócio sempre próspero

E aí, o que achou do conteúdo? Deixe sua opinião sobre o assunto e lembre-se de compartilhar com sua equipe! 

Até a próxima!

Falta de profissionais capacitados pode impedir crescimento de empresas do setor de motopeças

Falta de profissionais capacitados pode impedir crescimento de empresas do setor de motopeças

Segundo empresários do setor, falta mão-de-obra capacitada para o segmento, o que dificulta a expansão das atividades empresariais.

Os indicadores do segmento de motopeças confirmam um crescimento bem acima da média considerando outros setores da economia. 

A frota de Motocicletas superou os 28 milhões, conforme dados do DENATRAN e da Abraciclo, superando a taxa de crescimento para outras linhas de veículos.

Como consequência, o mercado de reposição de peças e acessórios para motos e motociclistas está em plena expansão em todas as regiões do país.

Nos trabalhos de Consultoria da Methodus e em pesquisas com empresários do setor, observamos uma dificuldade comum a todos os níveis de empresas da cadeia de distribuição (fabricantes, distribuidores e lojistas): a falta de profissionais capacitados para expandir as atividades das empresas.

Neste artigo, falamos sobre a demanda por diferentes funções e como isso afeta a realidade do empresário em nosso segmento. Além disso, descubra como a tecnologia pode ser sua aliada para vencer essa dificuldade. 

A demanda por profissionais atinge funções operacionais e de gestão

televendas para motopeças

A demanda por profissionais no setor de motopeças atinge várias funções, operacionais e de gestão, como:

▪ Mecânicos

▪ Balconistas

▪ Gerentes de loja

▪ Supervisores de Vendas

▪ Televendas

▪ Vendedores externos

▪ Representantes comerciais

▪ Compradores

▪ Encarregados de Expedição e Logística

▪ Profissionais da área financeira

Em nossa avaliação do mercado, concluímos que essa dificuldade de contratação de mão-de-obra é inversamente proporcional ao nível de organização da empresa, ou seja, quanto menos organizada, maior é a dificuldade para selecionar e contratar o profissional desejado.

 

Processos definidos facilita a contratação para o perfil desejado

Se a empresa tem processos bem definidos, sistemas que controlam os indicadores e trabalha com foco em resultados e metas, fica mais fácil definir o perfil desejado para cada função. 

Utilizar o apoio de empresas terceirizadas de seleção de RH e adotar critérios para análise de perfil comportamental também tende a reduzir as chances de erro na contratação. 

Isso pode parecer uma despesa desnecessária, porém, o custo de colocar um profissional despreparado em determinada área, pode sair bem mais caro por trazer baixos resultados, problemas com a equipe e com clientes, sem falar no custo de demissão e da contratação de novo funcionário em seguida.

Na outra ponta, temos as empresas sem uma estrutura de gestão e sem processos de controle, onde o quadro de funcionários é formado com base na “simpatia e na confiança”, muitas vezes restringindo as escolhas dentro do círculo familiar. 

Nesse caso, a dificuldade maior é profissionalizar a gestão da empresa, pois administrar os conflitos com a equipe quando se trata de parentes é bem mais complexo e, frequentemente, vale mais a vontade e o poder do que a produtividade e os resultados.

A falta de profissionais capacitados pode impossibilitar o crescimento do negócio

É comum observarmos empresários que evitam expandir os negócios com abertura de filiais, por exemplo, por não ter “pessoas de confiança” para colocar à frente do novo empreendimento.

Experiências negativas com contratações feitas sem critérios também estabelecem crenças limitantes para ampliar atividades e delegar funções, o que permitiria ao empresário sair de funções operacionais e concentrar-se mais na área estratégica do seu negócio.

Tecnologia como aliada

A tecnologia é nossa grande aliada para mudar esse cenário e melhorar a qualidade de gestão das empresas, facilitando a retenção e contratação de profissionais qualificados. 

Veja os 5 pontos principais para investir:

1. Ter um sistema de controle dos processos da empresa (Sistema ERP), permite administrar vendas, recebimentos, compras, pagamentos, movimentação de estoques, serviços e clientes, dando segurança ao fluxo de informações;

2. Realizar o fechamento diário, semanal ou mensal, com controle de receita e despesas, permite apuração de resultados e o controle da lucratividade do negócio;

3. O registro das operações de vendas por cliente, por televendas, vendedor ou representante comercial, otimiza a gestão comercial, remunerando a equipe de maneira justa e fortalecendo os laços da equipe com a empresa e com o mercado;

4. O controle das movimentações internas, recebimento e expedição de peças, organização do estoque e inventários constantes, evita perdas, elimina fraudes e fortalece a confiança dos gestores no processo, independente das pessoas que estão envolvidas no operacional;

5. A gestão por processos, de forma sistêmica e com indicadores de resultados, exige um perfil de profissionais capacitados, com formação e experiências diferenciadas que irão colaborar para o crescimento contínuo da empresa.

Crescimento sustentável exige capacitação de equipes

Lembre-se, para ter um crescimento sustentável e com segurança, é necessário controle e capacitação da sua equipe.

Contratar uma consultoria especializada pode ajudar sua empresa a atingir rapidamente um nível de organização que irá permitir saltos maiores e grandes conquistas.

A METHODUS é especialista no segmento de Motopeças. Consulte-nos sem compromisso clicando aqui.

Como Montar e Gerenciar uma Loja de Motopeças em 2020

Como Montar e Gerenciar uma Loja de Motopeças em 2020

Descubra as melhores práticas para iniciar um negócio no segmento de motopeças e para gerenciar sua loja com perspectiva de ótimos resultados.

Começar do jeito certo é o que faz com que qualquer negócio tenha uma base sólida, estável com ótimas perspectivas de retorno sobre os investimentos aplicados. Com uma loja de motopeças não seria diferente.

Abrir uma loja de motopeças requer que você dê atenção a algumas questões simples, porém fundamentais, que te ajudam a obter ótimos resultados desde o início. 

Mas, se você já está estabelecido com uma loja de motopeças e precisa melhorar sua gestão, as recomendações abaixo serão igualmente importantes.

Que pontos fundamentais são esses? É o que você verá a seguir em ‘Como montar e gerenciar uma loja de motopeças em 2020’. Continue lendo para descobrir!

Não entraremos no mérito sobre os conhecimentos e aptidões necessários para tornar-se um empresário e iniciar seu próprio negócio. As orientações a seguir são os primeiros passos para implementação de uma loja no segmento de motopeças.

Índice:

1. Definindo o negócio.

2. Localização e estrutura.

3. Gestão.

4. O marketing é a alma do negócio, sobretudo o marketing digital.

5. Mercadoria.

6. Fornecedores.

7. Funcionários.

8. Investimento e retorno.

 

1. Definindo o Negócio

Oficina de motos

Imagem da Internet.

Você oferecerá serviços ou só venderá peças? 

As duas opções demandam investimentos diferentes em estrutura, espaço e pessoal.

Definir se a empresa será uma oficina, um varejo de peças ou varejo com oficina é o primeiro passo para avaliar os investimentos e o local para instalação do negócio.

Para sua decisão considere os seguintes aspectos desse mercado:

• A agilidade e a mobilidade para esse segmento são fundamentais, portanto, ter um estrutura para fazer trocas rápidas será um diferencial para atendimento aos clientes.

• As pessoas precisam fazer manutenção periodicamente em suas motos e irão dar preferência para resolver tudo em um único local, comprando peças e serviços.

Nem todos optam por isso, e está tudo bem. 

Você pode decidir oferecer serviços conforme o seu negócio for amadurecendo, ou mesmo decidir descartar essa possibilidade. O importante é definir como será o seu negócio.

Dica de ouro: Saiba tudo sobre o seu produto. Seja um expert cada vez mais capacitado dentro do segmento de motopeças. Isso lhe trará autoridade e solidificará a imagem da sua empresa como referência no mercado.

 

2. Localização e estrutura

Imagem da Internet.

Independentemente se você optou por consertar motos ou não, conforme dissemos anteriormente, é indicado que tenha uma oficina para realizar a troca das peças, mesmo que seja um parceiro próximo ao ponto escolhido. 

Assim como usamos um provador para experimentar roupas, com uma moto não é diferente. 

Se isso for viável para a sua empresa, tenha certeza de que o seu cliente verá isso como um diferencial positivo e se sentirá melhor atendido.

Outros fatores importantes são:

• Buscar um local de fácil acesso.

• Pesquisar as lojas concorrentes na região escolhida.

• Oferecer um estacionamento no local, ou próximo.

• Escolher uma decoração que combine com o estilo da sua marca.

 
 

3. Gestão

Gestão de uma loja de motopeças

Imagem da Internet.

A gestão é uma das partes mais importantes quando o assunto é criar e manter um negócio sustentável e saudável.

Por mais simples que pareça a administração de uma loja, existem processos essenciais que precisam ser acompanhados para garantir sua integridade e rentabilidade. 

Considere os 4 pilares a seguir, que darão sustentação à empresa:

I) Controle de estoque:

a. Definir a linha de produtos.

b. Cadastrar todos os itens, com codificação interna e localização.

c. Adotar um critério de reposição, evitando faltas ou estoques excedentes.

d. Registrar todas as movimentações com entradas e saídas de mercadorias.

e. Fazer inventários periódicos. 

 

II) Compras:

a. Ter variedade de produtos é fundamental nesse segmento.

b. Fazer parceria com um distribuidor de motopeças com entrega rápida é a melhor estratégia para evitar falta de produtos.

c. Priorizar variedade e não ter muito estoque de poucos itens é o ideal.

d. Evitar atraso de pagamentos aos seus fornecedores para manter seu crédito e aumentar seus limites de compras.

e. Cuidado com a precificação (definição do preço de venda), registre sempre no sistema o custo de cada item e respectiva margem.

 

III) Controle de Caixa:

a. Abertura e fechamento de caixa diariamente.

b. Controle de recebimentos por modalidade de pagamento (dinheiro, cartão, vale, etc).

c. Definir um único responsável pelas movimentações de caixa.

d. Registrar pagamentos de despesas com os respectivos comprovantes.

e. Programar os pagamentos de fornecedores, evitando atrasos.

 

IV) Atendimento aos clientes:

a. Formar e manter equipe com conhecimento de peças e aplicações.

b. Ter um sistema de balcão que facilite a pesquisa de estoque e dos produtos .

c. Criar um ambiente de fácil acesso para o cliente, com conforto e simplicidade no atendimento.

d. Fazer o registro dos clientes para elaborar estratégias de fidelização e acompanhamento de suas compras.

e. Se tiver espaço, criar uma área para serviços de aplicação para trocas rápidas.

 

Além desses pontos que exigem uma atenção no seu gerenciamento, controlando recursos e pessoas, precisamos levar em conta a importância das exigências legais:

·   Burocracia: Tudo deve estar de acordo com a lei. Fique atento às exigências de seu Estado/ município para garantir as licenças de funcionamento, emissão de cupom fiscal, declarações e impostos.

 

·  Software de gestão: É necessário ter um controle de tudo o que acontece na loja para que nada saia do controle: finanças, controle de pagamentos, pedidos, estoque, carga horária de funcionários, etc. Ter um sistema de controle é essencial!

 

· Gestão contábil: Um contador pode te auxiliar tanto com as questões burocráticas quanto com as questões financeiras. Tenha sempre um contador de confiança por perto caso precise contratá-lo.

 

 

4. O marketing é a alma do negócio, sobretudo o marketing digital

Estratégia de marketing digital para loja de motopeças

Imagem da Internet.

Conheça seu público, busque saber como melhor atendê-lo, faça um marketing eficiente e tudo ficará mais simples. 

Se for trabalhar com varejo, faça um levantamento de oficinas, frotistas e tele-entregas em sua região de atuação, distribuindo folders e fazendo promoções.

Mas não se limite somente ao marketing convencional ou offline. Estude melhor sobre marketing digital, canais digitais de distribuição de conteúdo e esteja onde seu cliente estiver: e a grande maioria está na internet!

Caso precise de ajuda com o seu planejamento de marketing digital, opte por contratar uma agência especializada, que possa desenvolver uma estratégia multicanais, fazer um estudo do seu cliente e descobrir como impactá-lo com o máximo de eficiência.

 

5. Mercadoria

Precisa-se de profissionais para o setor de motopeças

Imagem da Internet.

Com quais mercadorias você pretende trabalhar? 

Pode-se, ainda, trabalhar com várias partes diferentes, com uma variedade de itens. Para uma loja de motopeças, algumas opções viáveis são:

• Motopeças em geral;

• Óleo para motor;

• Capacetes e acessórios para motociclistas;

• Roupas para motociclistas;

• Adesivos;

• Lâmpadas para motos;

• Carenagem de motos;

• Baterias;

• Retrovisores;

• E muito mais.

 

6. Fornecedores

Fornecedores de motopeças

Os fornecedores não poderiam ficar de fora dessa lista. E no plural, pois você deve ter vários fornecedores diferentes, caso seja necessário efetuar uma troca e falte o estoque correspondente em um deles, por exemplo.

Duas dicas importantes antes de comprar:

• Pesquise distribuidores que possam atender seus pedidos com maior agilidade e preços competitivos – proponha uma parceria para concentrar suas compras e obter vantagens.

• Comprar direto da fábrica pode sair mais caro. Para avaliar o custo-benefício, analise as boas condições e garantias oferecidas.

 

7. Funcionários

Funcionários representam custos fixos e eventual passivo trabalhista, portanto, defina muito bem sua necessidade e o perfil das pessoas para cada função. 

Na hora de contratar, analise qualidades compatíveis com a função desejada, como conhecimento técnico e desenvoltura no atendimento aos clientes.

Aliás, atendimento é tudo. Quanto melhor a experiência do cliente, mais ele irá colocar dinheiro na sua empresa!

 

8. Investimento e retorno

faturamento de uma loja de motopeças

Na hora de criar um negócio, você deve estimar o seu retorno sobre o investimento (ou ROI) e estabelecer objetivos e metas, mas a realidade é que isso poderá variar bastante.

O retorno obtido dependerá de uma série de fatores, como: mercadoria, fornecedores, localização, investimento em marketing digital, número de funcionários, custos fixos e variáveis, ticket médio por venda, etc.

Independentemente disso, abrir uma loja de motopeças é um negócio extremamente rentável, principalmente no momento atual, em que a demanda de empresas por entregadores aumentou consideravelmente – o que aqueceu muito o nosso mercado.

As decisões estratégicas que você tomar no início da sua empresa podem fazer toda a diferença e determinar o seu sucesso ou fracasso – por isso, não subestime o poder de uma gestão eficiente!

Em termos monetários, em média você pode faturar entre R$ 18.000,00 e R$ 50.000,00 com uma empresa de motopeças de pequeno a médio porte – dito isso, lembre-se que o potencial de crescimento e escalabilidade do seu negócio depende apenas de você, do seu planejamento e da execução.

 

Obrigado por ler até aqui, esperamos que este artigo tenha ajudado na sua busca por informações sobre como abrir uma loja de motopeças!

Para mais informações sobre gestão empresarial para negócios de motopeças, entre em contato com a Methodus Consultoria clicando aqui.

Ficou com alguma dúvida? Deixe um comentário. Todo comentário é muito importante para que possamos melhorar cada vez mais.

Até breve!

 

Precificação de Produtos: O que Considerar?

Como precificar produtos

O que Considerar na Hora de Precificar Produtos?

Descubra como evitar o prejuízo na hora de precificar as peças da sua loja ou distribuidora.

Como precificar produtos

Você tem seu negócio de venda e distribuição de motopeças, mas sente que pode estar perdendo dinheiro toda vez que faz uma venda?

Nesse guia rápido, você vai aprender a evitar o prejuízo na hora de precificar as peças da sua loja ou distribuidora.

Você que tem o próprio negócio deve tomar cuidado para que, no fim do mês, o seu retorno financeiro não seja diminuído por taxas desnecessárias, inadimplência, contratos de fornecimento mal negociados, ou, principalmente, preços errados.

Por mais que você já tenha experiência de anos no ramo, ou precise manter a concorrência para segurar as vendas, dizendo que “o preço é tabelado”, leia as dicas abaixo e descubra o que você deve levar em conta para calcular corretamente o preço dos seus produtos.

Antes de avaliar qual é o Mark Up ideal para aplicar em cada linha de produtos, é fundamental entender o conceito de ponto de equilíbrio para o seu negócio. 

Em uma linguagem muito simples, é o nível de faturamento desejável para permitir que todas as despesas fixas e variáveis sejam pagas, bem como seu objetivo de retirada como pro labore

A partir desse ponto, sua margem de lucro aumenta e sua empresa consegue fazer os investimentos necessários para o crescimento.


1. Custos Fixos

Todo negócio tem custos fixos. São aqueles custos frequentes e contínuos, como aluguel, folha de pagamento, energia e telefone por exemplo. A venda das motopeças na sua loja deve suprir o pagamento dessas despesas.

Primeiro, identifique seus custos fixos. Dessa forma você sabe qual valor precisa entrar na sua empresa para manter esses custos.

E aqui vai o principal alerta para administrar seu negócio: O que entra no caixa da empresa, ou seja, sua receita, não é sua disponibilidade para pagar as despesas, pois o custo das mercadorias deve ser abatido para cálculo de sua margem;

Como diz a sabedoria popular: “apurado não é lucro”. Por isso, é importante ter um registro de tudo o que está sendo vendido para verificar o resultado, segundo a equação: 

[ Valor total de venda (-) Valor total de custo das mercadorias ]

Essa será sua margem de contribuição. Esse valor é o que existe disponível para pagar suas despesas.

2. Preço de Compra das Motopeças

Cada peça ou produto que você compra, tem um valor. 

Ter estoque exige pagar boletos, não é mesmo?

A segunda dica aqui é: 

Saiba quanto cada peça custa para você. Como dissemos acima, esse valor deve ser subtraído do seu valor de vendas, pois é para pagamento de fornecedores. Afinal de contas, você precisará repor seus estoques.

Se você compra uma bateria por R$200,00 e vende a R$250,00, significa que apenas R$50,00 vão ser utilizados para pagar custos fixos e variáveis, e contabilizados no seu lucro.

3. Custos Variáveis

Custos variáveis são custos que variam de acordo com o número de vendas, basicamente quanto mais você vende, mais custos tem. 

Exemplos de custos variáveis são: comissões para vendedores, frete sobre vendas, despesas de remessas, despesas de cobranças e impostos.

Aqui, é importante considerar quanto precisa gastar para atender os pedidos em cada canal de vendas (balcão, e-comerce, atacado).

Em caso de estudar a abertura de novos canais de venda, é importante avaliar os investimentos necessários para estudo de viabilidade. Considere o custo extra por vender, como por exemplo, ter que comprar mais prateleiras e contratar mais funcionários.

Não vale a pena aumentar em R$ 1.000,00 seus custos para vender mais R$ 900,00 em motopeças!

 

4. Margem de Lucro para Motopeças

Existem 3 tipos de margem de lucro:

Desejada: é aquela que você quer ganhar. Aqui as pessoas podem exagerar e perder vendas. Colocam margens exorbitantes e perdem clientes. 

O mesmo pode acontecer de forma inversa. Certas pessoas compram por status e podem não comprar o seu produto justamente por estar “barato demais”. Conheça seu cliente e as práticas da sua região para evitar erros.

Lucro Estipulado pelo Mercado: é aquele obtido quando você olha para seu “concorrente”, querendo entender o lucro dele.  

Não se preocupe com isso, ele pode estar tendo prejuízos, sonegando impostos, faturando em outros pontos e outra infinidade de coisas que você não tem como saber. Tentar precificar somente pelo mercado pode ser um erro fatal.

• Lucro Fixado: por fim, é aquele baseado em tabelas, como ocorre no mercado de revenda de produtos de marcas famosas no mercado, por exemplo.

Se as margens praticadas pelo mercado não são compatíveis com o tamanho da sua empresa, existem algumas soluções, como buscar diferenciações no atendimento que agreguem valor para o cliente.

 

5. Ponto de Equilíbrio de uma Distribuidora de Motopeças

Como falamos na abertura, uma vez conhecendo seus custos fixos e variáveis, agora você consegue calcular seu lucro. Portanto, para saber seu ponto de equilíbrio, terá que responder a essa questão:

Quanto eu preciso vender para cobrir todas as minhas despesas? 

Para chegar nessa informação, você precisa calcular uma média de vendas mensais e comparar com todos os gastos. 

Sobrou alguma coisa? Se não, você precisa cortar gastos, precificar corretamente e vender mais. 

Mas tome cuidado, pois esse último ponto pode aumentar seus gastos na mesma proporção, conforme citamos acima.

 

Quer saber mais?

Se gostou dessas dicas e gostaria de saber como pode melhorar e investir no crescimento da sua Loja ou Distribuidora de Motopeças, fique atento ao nosso conteúdo. Continue navegando pelo nosso Portal para mais informações e notícias do setor de motopeças, deixe seu comentário e acompanhe nossas redes sociais.

A Methodus Consultoria possui especialistas para ajudá-lo a estruturar seu negócio, elaborando um diagnóstico completo sobre a saúde da sua empresa, orientando na implantação de processos, ferramentas e estratégias para um crescimento sustentável e para que você obtenha cada vez mais lucro.

Somos focados no segmento de Motopeças, entendemos as práticas e principais dificuldades do setor. Isso nos permite atuar com agilidade e precisão na busca por soluções personalizadas para nossos clientes. Com base nisso, desenvolvemos o Sistema CRESCER de consultoria para negócios de motopeças.

Ficou interessado? Entre em contato com nossos consultores e conheça a melhor opção para o crescimento do seu negócio.

 

 

As 9 Características do Gestor Eficaz (+ E-book Gratuito)

gestão de equipe

As 9 Características do Gestor Eficaz (+ E-book Gratuito)

Descubra as 9 principais características consideradas essenciais para otimizar o desempenho e os resultados da sua equipe.

gestão de equipe

Não importa se você é dono, diretor, gerente ou chefe de equipe, também não importa a quantidade de pessoas que estão sob sua liderança, a verdade é que os resultados obtidos ou esperados de sua empresa ou da área que você comanda, dependem de suas habilidades e competências como gestor, para tirar o máximo de sua equipe.

A seguir relacionamos as 9 principais características consideradas essenciais para otimizar o desempenho e os resultados.

Como forma de exercício e avaliação pessoal, sugerimos que atribua uma nota de 0 a 10 em relação a sua performance para cada tópico. 

Existe, muitas vezes, uma grande diferença entre “como nos vemos” e “como somos vistos”. 

Para obter um feedback de sua equipe, solicite que façam a mesma avaliação sobre esses aspectos quanto a sua forma de atuação e compare com suas respostas.

Nas próximas publicações, apresentaremos orientações e ferramentas para melhorar seu desempenho em cada uma das características.

Confira as 9 características do gestor eficaz a seguir!


1. Motivação

Uma Equipe motivada e bem orientada em relação aos objetivos e o papel de cada um é fundamental para encontrar sinergia e bem estar no ambiente de trabalho.

Ser chefe não significa necessariamente ser um bom líder!

Para motivar pessoas é preciso que o líder esteja sempre automotivado. Também deve ser capaz de fazer uma leitura de cada comandado, entendendo a melhor forma de convencê-los a dar o máximo de si em seus projetos.

 

2. Proatividade

Ser proativo é, basicamente, não esperar as coisas acontecerem de maneira aleatória.

O líder proativo deve estar atento ao desempenho de sua equipe e sempre em busca de novos conhecimentos e ferramentas para melhoria de resultados e crescimento individual de seus colaboradores.

Um verdadeiro líder não pode se acomodar com a obtenção dos mesmos resultados sempre ou com a reincidência dos mesmos problemas.

A busca de crescimento contínuo e superação dos obstáculos dependem dessa capacidade de antecipação e proatividade.

Além disso, ele conta com ampla visão estratégica para o seu crescimento profissional e se recusa a tornar-se obsoleto.

Ele investe em novos conhecimentos, em especializações e no aprofundamento do seu conhecimento, para não estagnar na carreira.

 

3. Liderança

Para os leigos, é comum separar os papéis de gestor e de líder. Nos negócios, porém, é indispensável que ambos sejam desempenhados concomitantemente, pois não há mais espaço para gestores sem habilidade para liderar.

A principal habilidade para um bom líder é entender de pessoas, é saber que cada funcionário ou membro da equipe responderá de forma diferente aos seus estímulos e argumentos.

Alguns são motivados por recompensas, outros pelo prazer das conquistas.

Gostar de pessoas e ter empatia por seus sentimentos, ambições e respeitando seus limites e crenças é fundamental para conquistar o respeito e a confiança. 

Isso porque liderar independe de autoridade ou de poder. É ser capaz de persuadir e influenciar por meio de uma comunicação ativa e eficaz.

Ter uma argumentação consistente, clareza na exposição de ideias, sempre buscando por soluções em conjunto com as pessoas ao seu redor, aproveitando suas potencialidades e fazendo com que sintam-se confortáveis em contribuir com suas ideias.

 

4. Capacidade de dar e receber feedbacks

Todo colaborador necessita de um líder que o motive, que saiba encorajá-lo e que o estimule na busca por bons resultados.

Contudo, é essencial que o gestor tenha a capacidade de dizer no que tanto a equipe quanto ele mesmo podem melhorar. É nesse momento o feedback se faz essencial.

Esse canal de diálogo estabelece uma excelente ferramenta de aprendizado e aprimoramento do trabalho individual e em conjunto dentro de uma empresa.

Afinal, é por meio dele que você mostra ao seu colaborador como ele é percebido e avaliado dentro do mercado.

O oposto também é válido, e você deve ser humilde e tolerante para ouvir comentários sobre sua gestão — que podem não ser o esperado. 

Para isso, é preciso criar uma cultura dentro do ambiente de trabalho onde o feedback é recebido, e não imposto.

Também é importante demonstrar ao colaborador que, quando ele tiver um retorno negativo, isso significa que seus superiores estão acompanhando suas tarefas e desempenho e que se importam com o seu desenvolvimento.

Essa orientação serve para construir uma relação mútua de confiança e apoio a fim de promover mudanças positivas e o crescimento da empresa.

 

5. Inteligência emocional

Um bom gestor deve estar comprometido com o sucesso não só dos projetos, como da sua equipe e com os valores da empresa.

Para isso, é preciso saber lidar com as emoções, ou seja, ter inteligência emocional, para não perder a estabilidade psicológica, uma vez que você irá lidar com pessoas distintas, solucionar conflitos e participar de situações adversas.

Enfrente os desafios com sabedoria, coerência, tato e disciplina.

 

6. Gerenciamento de conflitos

Conflitos são comuns em um ambiente de trabalho. No entanto, às vezes, é preciso intervir e saber mediar situações que estejam desestabilizando a equipe.

O trabalho em conjunto é fundamental para se obter êxito, e as relações interpessoais têm papel importante no equilíbrio de um ambiente harmônico.

Para ser capaz de gerenciar conflitos é preciso ter empatia com os liderados, se colocando no lugar do outro e tentando entender o seu lado da história, seu ponto de vista.

É importante ouvir e buscar uma solução que acabe com a insatisfação de ambas as partes conflitantes. 

Administrar pessoas requer um trabalho contínuo de aptidão social e equidade.

 

7. Controle de processos e pessoas

Ser um gestor eficiente é saber negociar e delegar as tarefas de forma responsável, mostrando confiança e respeito pelo trabalho dos seus colaboradores, mas sem esquecer de controlar e acompanhar de perto o desenvolvimento de cada ação.

Além disso, é preciso analisar se as entregas são feitas dentro do prazo e se as devidas alterações são realizadas quando necessário.

Trata-se, portanto, de ser o agente catalisador de pessoas, planos, serviços e processos sempre em mutação — uma competência estratégica cada vez mais desejada dentro das empresas.

 

8. Planejamento objetivo e estratégico

A função do gestor dentro de uma empresa vai muito além da admissão de novos funcionários, solução de conflitos internos ou a gestão de colaboradores com foco nos ganhos e resultados.

Ele possui um papel fundamental no planejamento e na estratégia dos negócios, funcionando como o elo entre a estratégia e a ação.

A sua importância anda junto do bom desempenho e da lucratividade da empresa.

Um bom gestor é reconhecido por encarar o ato de planejar como algo contínuo, gradativo, flexível e responsável — ou seja, como um líder que não busca apenas o seu desempenho no presente, mas também no futuro.

 

9. Autorresponsabilidade

Um gestor eficaz tem uma postura de autorresponsabilidade, reconhecendo que o que ele está vivendo é o resultado de como tem pensado, falado, se comportado, trabalhado e encarado a vida e os desafios.

Ser autorresponsável é ter a capacidade de se responsabilizar completamente pelos resultados que tem colhido, com otimismo e motivação, independente das circunstâncias.

 

Conclusão

As características de um bom gestor que citamos aqui são essenciais para combinar os interesses da empresa às potencialidades dos seus colaboradores, desenvolvendo um trabalho de equipe proativo e motivado, que gere resultados concretos.

Através de sua autoavaliação, identifique seus pontos fortes e pontos fracos.

Busque conhecimento para evoluir sempre e , principalmente, verifique quais mudanças de atitudes podem ajudá-lo a conquistar o respeito e a admiração de sua Equipe.

E você? Já se considera um gestor eficaz? Qual dessas características você já desenvolveu, e qual precisa trabalhar para desenvolver ainda mais? 

Deixe sua contribuição nos comentários! 

Ah, e que tal compartilhar esse conteúdo com os gestores da sua empresa, ou com sua equipe para que façam uma autoavaliação, e também lhe avaliem como gestor? 

Para te ajudar com isso, fizemos uma versão dessa matéria em formato de E-book (PDF), totalmente gratuita para você baixar e utilizar como fonte de motivação ou compartilhar com quem desejar. 

Insira seu e-mail abaixo para fazer o Download Gratuito, e boa leitura!

 

Até a próxima! 

 

Representantes Comerciais: uma Força de Vendas Indispensável ao Setor de Motopeças

representante comercial

Representantes Comerciais: uma Força de Vendas Indispensável ao Setor de Motopeças

Entenda melhor o papel desses profissionais que atuam na comercialização de produtos em todos os níveis da cadeia de distribuição.

representante comercial

Ao longo de nossos 20 anos de experiência com indústrias e distribuidoras de motopeças, atuando principalmente na gestão comercial, tivemos a oportunidade de trabalhar em parceria com inúmeros profissionais de vendas, compartilhando experiências, aprendizado e conhecendo histórias de vidas moldadas entre estradas e clientes.

Em nosso mercado, assim como na maioria dos outros segmentos, o Representante Comercial é a principal força de vendas responsável pela comercialização de produtos em todos os níveis da cadeia de distribuição.

Seja do fabricante ou importador para seus distribuidores, seja dos distribuidores para lojas de varejo e oficinas, existe uma equipe de profissionais na linha de frente nesse grande cenário de competitividade, conquistando clientes, apresentando produtos e empresas e com a grande responsabilidade de garantir o faturamento de suas representadas.

Expansão do mercado

representantes comerciais

Quando falamos em vendas, existem basicamente duas formas de contratação por parte das empresas:

1.      Contratação de um profissional como funcionário CLT

2.      Contratação de um representante comercial

A principal diferença é que além da qualificação necessária para ser um vendedor, o Representante Comercial é também um empresário, uma vez que tem uma empresa constituída para intermediar vendas a partir de um contrato com uma ou várias marcas e fabricantes.

A expansão do mercado de motos nos últimos 20 anos, saindo de uma frota de 4 milhões no ano 2000 para mais de 25 milhões em 2020, gerou em todas as regiões uma grande demanda de peças de reposição, acessórios, equipamentos e serviços.

E como expandir as linhas de produtos e fabricantes, em um mercado sempre em expansão, em um país gigante como o Brasil, numa época em que não tínhamos tantos recursos de mídia com atualmente?

Esse foi o papel dos Representantes Comerciais que, desenvolvendo um brilhante trabalho, aproximaram clientes e produtos, oferta e demanda, descobrindo novas oportunidades e contribuindo para o crescimento de todas as empresas.

Gerenciamento de representantes comerciais

vendas

Nos treinamentos, consultorias e convenções de vendas em que a Methodus tem trabalhado nesse período (desde 2002), ainda ficam evidentes as dificuldades das empresas no gerenciamento de seus representantes, bem como no aprimoramento destes profissionais, para se manterem atualizados em seus processos de trabalho, na gestão de suas equipes e frente às novas tecnologias que estão mudando as relações de negócios entre empresas e compradores.

Possuímos em nosso portfólio, treinamentos e processos de consultoria para orientar o mercado na contratação e técnicas de gerenciamento de representantes comerciais.

Em uma pesquisa inédita para nosso segmento, estamos entrevistando empresários e gestores comerciais de fábricas e distribuidoras para traçar o perfil desejável atualmente para suas equipes de Representantes e profissionais de vendas.

Além disso, traremos também, em breve, um panorama sobre a visão das empresas de Representação Comercial, que se destacam no mercado de motopeças, avaliando suas estratégias de atualização para continuarem a exercer esse papel fundamental de gerar riquezas, aproximando mercados e fornecedores.

Novos tempos

Novos tempos

Temos vivenciado mudanças sem precedentes nas relações comerciais, nos modelos de negócios e nos canais de vendas.

O acesso à informação deixou de ser um privilégio e tornou-se fundamental para ajudar empresários e consumidores em suas decisões de compras, acesso aos fornecedores, comparativos de preços, qualidade e preferências do mercado.

Os meios de comunicação evoluíram do fax e caríssimas linhas de telefonia celular para internet barata, plataformas de e-commerce, WhatsApp, mídias sociais, videochamadas, vídeos no Youtube, lives, entre muitos outros recursos e
aplicativos que simplesmente comprimem qualquer distância em um simples toque na tela do smartphone.

Nosso mercado de motopeças ainda tem seu jeito particular e pessoal de fazer negócios. Em algumas regiões, o “fio de bigode” e o “aperto de mãos” ainda são garantia de bons negócios e autenticidade. 

Mas, até quando os velhos hábitos podem conviver com as novas tecnologias?

Novas e velhas gerações de representantes comerciais convivem cruzando estradas, nos hotéis tradicionais e dividindo espaço nas salas de espera de distribuidoras ou em frente aos balcões das lojas, fazendo sempre o mesmo processo.

O tempo está passando!

Representantes comerciais precisam acompanhar o fluxo de mudança, evoluir métodos de trabalho, encontrar novos caminhos, agregar valor aos clientes, descobrir suas necessidades… Ou seja, continuar sendo um catalizador para gerar riquezas, para que jamais sejam vistos como meros “tiradores de pedidos”.

5 Pilares que Irão Evitar a Falência de sua Empresa

Sucesso

5 Pilares que Irão Evitar a Falência de sua Empresa

Sucesso

Todo empresário deseja que o seu negócio prospere e obtenha resultados duradouros, crescendo mais a cada dia, concorda?

O desafio de comandar uma empresa exige preparação e conhecimentos específicos de gestão. A vocação intuitiva para negócios não garante a sobrevivência da empresa.

Neste artigo, você vai descobrir os 5 pilares para construir uma empresa de sucesso, evitando resultados negativos e até mesmo a falência. 

Entenda a importância de ter objetivos bem definidos para o futuro do seu negócio, administrar corretamente as contas da sua empresa, gerir com eficiência seus processos e operações  e, por fim, agir de maneira estratégica no que diz respeito a competitividade e liderança. 

Continue lendo e descubra como levar a sua empresa ao nível de sucesso que você deseja! 

1. Planejamento

Ter objetivos bem definidos para o futuro de seu negócio é fundamental para saber quais os caminhos a seguir e quais as decisões mais acertadas a tomar no dia a dia da empresa.

Um planejamento empresarial para um período de 6 meses a um ano, já garante uma meta e uma visão de futuro para que você e sua equipe concentrem energias para buscar um resultado comum.

Exemplo de objetivos ou metas:

·        Aumentar o faturamento em 20%;

·        Aumentar a rentabilidade em 15%;

·        Abrir nova filial;

·        Ampliar a área de oficina para aumentar clientes;

·        Implementar uma seção de boutique com acessórios de
maior valor agregado;

·        Implementar e-commerce.

Fique atento: 

Planejamento sem um plano de ação e sem acompanhamento de indicadores, é somente um exercício de previsão de futuro.

2. Gestão Orçamentária

Falar em administrar bem as contas da empresa, parece uma condição óbvia para qualquer empresário, porém, nossa experiência em consultoria tem nos mostrado que essa área é bastante negligenciada nas pequenas e médias empresas, principalmente por se tratar de empresas familiares em sua maioria.

Confundir receita com lucratividade, falta de clareza sobre os recursos financeiros e sobre o resultado operacional são situações típicas dessas empresas.

Uma pergunta que sempre incomoda empresários e gestores é “qual é o resultado operacional de seu negócio?”. Normalmente a resposta está relacionada ao fluxo de caixa, e o incômodo ocorre porque não sabem exatamente como fazer essa apuração.

Uma gestão orçamentária eficiente, exige o controle das seguintes informações:

·      Apuração das despesas fixas e variáveis, com uma boa estrutura de plano de contas;

·      Acompanhamento do faturamento por produto ou serviço, e de preferência por canal de vendas;

·   Apontamento correto dos custos das mercadorias ou dos recursos para realização de serviços (se for o caso);

·   Registrar as despesas financeiras, taxas bancárias, custo de operações com cartões de crédito, juros e empréstimos;

·        Acompanhar o valor e a variação dos estoques;

·   Registrar todas as retiradas de pro labore para os sócios ou pagamento de despesas pessoais.

O uso de Sistemas Integrados de Gestão (ERP) torna-se essencial na medida em que a empresa movimenta muitos itens, e existem sistemas com custos viáveis para qualquer tipo de operação. 

Atribuir esses controles para a contabilidade da empresa, que normalmente é terceirizada, não garante uma visão gerencial do negócio. Esses recursos devem ficar disponíveis com relatórios e dashboards como ferramentas de decisão para os gestores e sócios.

3. Gestão Operacional

Saber o que ocorre no dia a dia de sua empresa irá evitar surpresas sobre o resultado e sustentabilidade do negócio.

Alguns processos são fundamentais para garantir lucratividade e crescimento:

·        Calcular a precificação dos produtos e margens de rentabilidade;

·        Acompanhar o faturamento diário;

·        Acompanhar o desempenho dos colaboradores;

·        Identificar e dar atenção especial aos principais clientes da empresa;

·        Gerenciar o fluxo de caixa da empresa;

·        Saber os índices de inadimplência.

Não significa que os gestores tenham que estar envolvidos nas atividades operacionais de cada um desses processo, mas implementar indicadores que permitam entender as tendências dos resultados e atuar sempre que necessário para corrigir os desvios e manter a empresa em direção aos seus objetivos.

4. Competitividade

Todo empresário precisa entender que só existe uma fórmula para que seu negócio tenha sustentabilidade:

RECEITA – DESPESAS = LUCRO

Isso também pode parecer óbvio, porém, muitos esquecem que a empresa é somente um gerador de despesas e que a receita está no mercado e na fidelidade dos clientes.

Observar as tendências, riscos e oportunidades que acontecem em seu segmento de atuação, observando concorrentes e fornecedores é o que diferencia os empreendedores de sucesso.

Essa visão estratégica é uma função difícil de delegar e uma característica fundamental que deve ser aprimorada pelo empresário para garantir uma gestão de sucesso.

5. Liderança

Um navio sem comando fatalmente irá navegar à deriva e dificilmente chegará a algum destino seguro. 

Um bom líder sabe onde precisa chegar, organiza sua equipe de forma eficaz, tem o sentimento de autorresponsabilidade, age com proatividade, entende de planejamento e estratégia e, acima de tudo, sabe envolver e motivar as pessoas que fazem parte de seu time.

Para seguir um líder, nós precisamos acreditar em seu sonho, em sua visão de sucesso. 

Por essa razão, encerramos nossas recomendações para que você conquiste seus objetivos como empresário e líder, com um discurso de Abílio Diniz, onde ele nos revela que “o grande segredo dos empresários de sucesso é buscar algo além da lucratividade, uma razão maior, um objetivo mais nobre para que você busque realização e felicidade em seu negócio”.

Lembre-se que você é responsável pela satisfação de seus funcionários e clientes, e que faz parte de um ciclo de geração de riquezas e de vida de muitas famílias.

Conclusão

Ser empresário em nosso país não é uma missão fácil. Muitos irão falhar. Segundo o SEBRAE, 60% das empresas fecham com apenas 2 anos de atividade.

Cabe a nós, empresários, desafiar essa estatística. Para isso, precisamos nos preparar, aprender, ter humildade para estender a mão, ajudando ou pedindo apoio. 

Buscar conhecimento com aqueles que já trilharam o caminho é sinal de maturidade e visão estratégica, é navegar usando tecnologia, encurtando o caminho para o sucesso.

A Methodus Consultoria possui profissionais com experiência de mais de 20 anos no mercado de Motopeças e tem trabalhado com Distribuidoras, Fábricas e Lojistas na implantação de processos de Gestão, otimizando resultados e competitividade.

Através da Metodologia CRESCER, desenvolvida e comprovada pelos resultados positivos obtidos por nossos clientes, temos soluções adequadas para cada perfil de empresa. 

Entre em contato com nossa equipe se deseja encontrar soluções viáveis sob medida, traçando caminhos seguros para o seu negócio.

Conte conosco!

 

Automação de Estoque para Lojistas de Motopeças

Lojista de Motopeças

Automação de Estoque para Lojistas de Motopeças

Descubra o que é automação de estoque, seus benefícios e como utilizá-la para ganhar agilidade, mais controle e organização para a sua loja de motopeças.

Lojista de Motopeças

 

Nesse artigo, vamos falar um pouco sobre o que é automação de estoque, dar dicas sobre como utilizá-la, entender os benefícios da automação de estoque e sugerir algumas opções de aplicativos de acordo com a sua necessidade.

O termo “automação de estoque” se refere aos controles e operações das atividades de um estabelecimento comercial através de soluções digitais, ao invés da forma manual, que exige mais tempo e trabalho dos colaboradores!

Em outras palavras, a automação de estoque torna possível que tarefas realizadas por pessoas, como, por exemplo, contagens, alocações, conferências, reposição de produtos, vendas e retiradas de materiais, sejam realizadas com o uso de equipamentos, programas e aplicativos que registram todas as operações, permitindo rastreamento, segurança e registro na base de dados.

A automação de estoque é fundamental para os lojistas de motopeças, principalmente pelo volume de itens movimentados e estocados para esse segmento. Uma loja bem estruturada pode chegar facilmente a movimentar mais de 15.000 itens para um atendimento eficiente do mercado.

Além disso, o sistema deverá auxiliar na gestão do negócio nos seguintes processos:

  • Movimentação de estoque e registro de entradas e saídas;
  • Controle de compras e reposição de estoque;

  • Precificação dos produtos e controle do caixa da empresa;

  • Controle de despesas e apuração de resultados;

  • Cadastro de clientes e acompanhamento de suas compras.

Também garante que tudo esteja em ordem e que o proprietário, funcionários e clientes estejam em dia com os serviços prestados e pedidos, respectivamente.

Benefícios da Automação de Estoque

Antes de mais nada, é importante ressaltar que a automação de estoque não tem como objetivo substituir funcionários, e sim, facilitar suas atividades e trazer agilidade e eficiência ao seu negócio.

Entre os principais benefícios da automação de estoque estão:

  • Controle e organização mais rigorosa;

  • Mais agilidade nos processos;

  • Maior controle nas compras e reposição de estoque;

  • Mais precisão na verificação de custos e precificação dos itens;

  • Melhor aproveitamento do espaço no estoque;

  • Redução de gastos;

  • Mais produtividade;

  • Gerenciamento de dados;

  • Fornecer relatórios gerenciais e de resultados para tomada de decisões.

Automação de Estoque – Uso de Equipamentos e Sistemas

Existem empresas que oferecem serviços completos para proporcionar mais praticidade para o dia a dia da sua empresa.

Você pode utilizar diferentes tecnologias no cotidiano da sua loja, como, por exemplo:

  • Cadastramento de todos os produtos e uso de códigos de barras para identificação;

  • Scanners de mão para conferência breve dos produtos por linha digitável;

  • Software de automação para vendas (PDV), controle de caixa, administração financeira e controle de estoque;

  • Controle de ordem de serviços no setor de oficina, movimentação de peças aplicadas e gestão da mão-de-obra dos mecânicos.

Qual é o Melhor Sistema para Automação de Estoque?

Para facilitar a vida do lojista de motopeças, existem vários sistemas e aplicativos que ajudam com a automação de estoque. Porém é importante uma boa pesquisa para identificar o sistema que melhor atenderá suas necessidades.

Fique atento aos seguintes pontos:

  1. Exigências da Secretaria da Fazenda de seu estado para emissão de cupom fiscal no (PDV). Cada estado adota normas diferentes para a impressora de cupom fiscal e alguns sistemas precisam de homologação. Converse com seu Contador para ver essas demandas.

  2. Verificar custos de implantação, treinamento e manutenção (valor mensal para atualizações pago ao provedor do sistema).

  3. Verificar se o provedor do sistema possui suporte de fácil acesso para atendimento nas dificuldades de operação do software.

  4. Caso não tenha tempo ou conhecimentos para ficar a frente da implantação, identifique alguém de sua equipe que possa receber o treinamento e acompanhar os processos.

Dica: Converse com empresários dos setores de comércio e procure referências de sistema e se possível, verifique a aplicação prática dessas opções.

Existem alguns sistemas que podem ser comprados e baixados na internet, mas os cuidados acima precisam ser observados.

Opções Disponíveis no Mercado

Uma das opções de sistema de automação de estoque disponível para download é o Estoque Fácil 2.0 – Vendas, Estoque e Lucros, que pode ser baixado no celular através da loja de aplicativos do seu aparelho (de preferência, para celulares com sistema operacional Android).

Com esse aplicativo, o lojista consegue administrar todos os setores de sua loja, acelerar o suporte aos clientes e gerenciar os resultados financeiros.

Os benefícios oferecidos pelo sistema de automação de estoque incluem:

  • Administração dos clientes;

  • Administração dos abastecedores;

  • Administração das peças;

  • Formas de pagamento;

  • Relacionamento de negócios praticadas;

  • Lançamento de 2ª via de quitação;

  • Compartilhamento da quitação de transações com as principais redes sociais e WhatsApp;

  • Acesso rápido das pendências que o cliente possui com o lojista;

  • Lista de todas as vendas realizadas.

O aplicativo pode ser testado durante 30 dias, depois disso, será necessário pagar para continuar usufruindo de seus benefícios.

Existem ainda outras opções disponíveis na loja de aplicativos que oferecem a mesma praticidade, como, por exemplo: 

  • Estoque Simples;

  • Contagem Estoque – Contestoque;

  • Pedidos, Vendas, Estoque e Controle Financeiro;

  • Controle de Vendas Venda Fácil.

Todas essas opções permitem que você controle o seu negócio na palma da sua mão. De forma simples, prática e rápida!


E aí, gostou das dicas? Pretende utilizar um sistema de automação de estoque na sua loja? Deixe seu comentário e compartilhe sua experiência!

Para ver mais dicas de gestão para o seu negócio e muito mais conteúdo sobre o mercado de motopeças, continue navegando pelo nosso Portal e acompanhe nossas redes sociais!