fbpx

Portal Methodus

O que é o controle de estoques e por que é tão importante para sua empresa?

O que é o controle de estoques e por que é tão importante para sua empresa?

Entenda como o controle de estoques pode aumentar sua lucratividade e melhorar a saúde financeira de sua empresa.

Nos trabalhos de Consultoria, ainda na fase de diagnóstico empresarial, um dos principais tópicos que avaliamos é a “saúde” do estoque da empresa considerando os seguintes aspectos:

1. Qualidade dos registros de entradas e saídas – uso efetivo do Sistema ERP

2. Giro de estoques – compatibilidade dos níveis de estoque / reposição e médias de vendas

3. Valor geral dos estoques x faturamento

4. Curva ABC de estoque e critérios de reposição (algoritmos de compras)

5. Estoque de produtos sem movimentação

Com base nessas informações, conseguimos identificar a causa-raiz de muitos problemas enfrentados pela empresa:

Problemas de fluxo de caixa

Falta de capital de giro

Deficiência no atendimento de pedidos pela falta de mercadorias

Problemas de limitações no espaço físico

Erros de inventário

Falta de confiança nas equipes de movimentação interna


Para ter uma ideia da quantidade de processos que envolvem decisões estratégicas com base nas informações de estoque, veja a imagem abaixo:

Não importa o tamanho do negócio ou o nível de faturamento, o que temos observado é uma falta de atenção para controlar o principal patrimônio da empresa: o estoque.

O crescimento rápido das lojas, evoluindo muitas vezes de um processo de informalidade e poucos itens para uma movimentação cada vez maior, causa um descompasso entre o operacional e os controles de sistema.

Nessa transição, normalmente com a implantação de sistemas ERP, existe uma relutância em fazer inventários, implantando o sistema apenas para registrar movimentações.

É extremamente importante fazer a contagem de estoques e ajuste de inventários no sistema, criando em seguida regras rígidas de movimentação (entradas e saídas). 

Esse marco zero, migrando todas as informações para a base de dados, transforma a cultura da empresa para que todos valorizem a organização, o cadastro de produtos, o endereçamento dos itens (localização) e principalmente o controle de custos e preços de vendas.

Em empresas com 10 a 15 mil itens é impossível depender de controles em fichas, planilhas ou nos piores casos, da cabeça do dono ou dos funcionários. 

Os problemas irão aparecer cedo ou tarde e muitas vezes colocando a empresa em risco de falência.

Agora que você já entendeu a importância de um controle de estoques bem feito, listamos abaixo algumas recomendações básicas para te ajudar nesse processo:

1. Utilize um Sistema ERP que realmente seja compatível com o tamanho de seu negócio (custo de sistema não é “despesa”, é o melhor investimento que você pode fazer em sua empresa).

2. A implantação é o melhor momento para ajustar informações gerais de cadastro, marcas, especificações e parametrizações de custos, impostos e margens.

3. Faça um inventário rigoroso, estruturando seu estoque com endereçamento de ruas e prateleiras. Isso facilitará a separação de pedidos e atendimento aos clientes, bem como irá tirar a dependência de funcionários que se impõe ao negócio dominarem a localização das peças.

4. Realize suas compras de reposição de estoques com base em relatórios do sistema comparando giro (vendas) e as faltas.

5. Tenha uma atenção muito especial para itens sem movimentação, pois o dinheiro parado referente a esses itens pode fazer falta em seu fluxo de caixa. Identifique os itens e faça promoções.

6. Organize sua exposição de produtos de acordo com cada família de materiais, lembrando que acessórios e marcas premium precisam estar ao alcance dos clientes.

7. Se sua empresa possui um setor de serviços e aplica peças do estoque, considere todo o controle de uso dessas peças através de requisições e vínculo com as ordens de serviços. Dessa forma, você terá um controle de suas vendas através desse setor, ponderando os custos e a viabilidade da área.

Atenção: adiar essas ações somente irá aumentar seus problemas e dificultar a transição para transformar sua empresa em um negócio com organização e controle.

Dois ou três dias são suficientes para implementar essas mudanças, e isso pode ser determinante para a sobrevivência da empresa. 

A Methodus Consultoria tem uma equipe de profissionais capacitados, que podem orientar essa transformação. Consulte nossos especialistas.

 

Venda de scooters pela internet cresce 16% em 2021; veja os mais vendidos

Venda de scooters pela internet cresce 16% em 2021

nmax 160 - Renato Durães/Infomoto - Renato Durães/Infomotofonte:https://www.uol.com.br/carros/colunas/infomoto/2021/08/08/venda-de-scooters-pela-internet-cresce-16-em-2021-veja-os-mais-vendidos.html

Basta rodar em qualquer cidade grande ou média do Brasil, para notar o aumento das scooters nas ruas. Fáceis de pilotar em função do câmbio automático CVT, econômicos e acessíveis, esses veículos têm conquistado cada vez mais adeptos. No 1º semestre deste ano, a venda de scooters usados pela internet registrou crescimento de 16% em comparação ao mesmo período do ano passado. Os dados são de um levantamento da OLX, uma das maiores plataformas online de compra e venda de veículos do Brasil

“Percebemos que alguns fatores motivaram o aumento nas vendas de scooters neste ano, como, por exemplo, o incremento de profissionais de motofrete durante a pandemia; ter um meio de locomoção mais rápido e seguro para evitar as aglomerações no transporte público; e, também, o encarecimento do preço dos combustíveis, que impulsionam a migração para veículos mais econômicos “, explica Flávio Passos, vice-presidente de Autos e Comercial da OLX. Modelos mais vendidos Repetindo o que acontece no ranking dos modelos novos, na plataforma de usados a Honda PCX lidera.

O modelo de 150 cc corresponde a 19% das scooters vendidas na OLX entre janeiro e junho deste ano. O motor de 150 cc também é o preferido dos internautas com 47% de participação. A Yamaha NMax 160 é a segunda scooter mais bem posicionada no ranking de participação em vendas e também ocupa a segunda posição da lista dos modelos com maior crescimento em vendas do semestre, com 65%

Honda Elite 125 - Divulgação - Divulgação

Mas quando o assunto é crescimento em vendas, outro modelo Honda é o campeão: a Elite 125 conquistou o maior crescimento em vendas de janeiro a junho, com incríveis 122% de alta. Confira abaixo as cinco scooters mais vendidas na plataforma no 1º semestre deste ano – e o percentual de crescimento nas vendas em comparação ao mesmo período de 2020

Modelo – % participação – % crescimento

Honda PCX – 19% – 16%
Yamaha NMax – 6% – 65%
Suzuki Burgman – 5% – 8%
Yamaha Neo – 5% – 13%
Honda Lead – 4% – 13%

O Setor de Motopeças, em todos os estados, tem despertado o interesse de investidores e motivando os empresários que já atuam na área a investir em ampliação, renovação de estoques e expansão de suas atividades.  Acreditamos que esse é um momento de empresas e profissionais buscarem melhorias em seus processos de gestão.  Por isso lançamos em março o 1º curso exclusivamente voltado para Lojas e Distribuidores de Motopeças.  O Curso on-line GT2R – Gestão Turbo 2 Rodas, oferece uma consultoria para implantar as melhores práticas de gerenciamento e controle para empresas do setor.

Conheça melhor o treinamento que está transformando a vida de Empresários no setor de Motopeças! Acesse agora:  www.gt2r.com.br

Assista abaixo o vídeo com a análise completa dos indicadoresde crescimento do mercado em geral:

Venda de motos cresce 45% em 2021

Venda de motos cresce 45% em 2021

Indicadores do mercado de motos 2019 – 2020 – 2021.

Publicamos recentemente em nosso canal do Youtube um vídeo com uma análise completa de indicadores de produção e frota de motos com a evolução de 2019, 2020 e 2021. 

Entenda como a Pandemia afetou os resultados do setor. 

Na publicação desse vídeo recebemos o resultado do mês de junho fechando esse primeiro semestre de 2021 com 568.863 motos produzidas no Brasil contra 392.217 no mesmo período do ano passado. 


Observa-se um aumento de 45% sobre 2020, quando tivemos os meses de abril e maio praticamente sem produção. 

Se compararmos com a produção de 2019 (534.100 motos) estamos com um crescimento de 6,5%

Números animadores para o setor que ainda não conseguiu normalizar o atendimento da demanda reprimida. A falta de moto 0 Km movimenta a venda de motos usadas e consequentemente o de motopeças e serviços. 

Da mesma forma essas informações garantem a boa fase que vivemos no segmento de reposição de peças e acessórios. 

Além dessas informações trazemos atualizações nos seguintes indicadores:

  • Produção de motos histórico 10 anos;
  • Segmentação por faixa de potência (CC);
  • Frota nacional de motocicletas;
  • Estudo de potencial do mercado considerando habilitações categoria “A”;
  • Desafios de gestão para as empresas do Setor;
  • E …muito mais !
O Setor de Motopeças, em todos os estados, tem despertado o interesse de investidores e motivando os empresários que já atuam na área a investir em ampliação, renovação de estoques e expansão de suas atividades. 
 
Acreditamos que esse é um momento de empresas e profissionais buscarem melhorias em seus processos de gestão. 
 
Por isso lançamos em março o 1º curso exclusivamente voltado para Lojas e Distribuidores de Motopeças
 
O Curso on-line GT2R – Gestão Turbo 2 Rodas, oferece uma consultoria para implantar as melhores práticas de gerenciamento e controle para empresas do setor. 
 

Conheça melhor o treinamento que está transformando a vida de Empresários no setor de Motopeças! Acesse agora:  www.gt2r.com.br

 

 

Assista abaixo o vídeo com a análise completa dos indicadores:

Como Montar e Gerenciar uma Loja de Motopeças em 2020

Como Montar e Gerenciar uma Loja de Motopeças em 2020

Descubra as melhores práticas para iniciar um negócio no segmento de motopeças e para gerenciar sua loja com perspectiva de ótimos resultados.

Começar do jeito certo é o que faz com que qualquer negócio tenha uma base sólida, estável com ótimas perspectivas de retorno sobre os investimentos aplicados. Com uma loja de motopeças não seria diferente.

Abrir uma loja de motopeças requer que você dê atenção a algumas questões simples, porém fundamentais, que te ajudam a obter ótimos resultados desde o início. 

Mas, se você já está estabelecido com uma loja de motopeças e precisa melhorar sua gestão, as recomendações abaixo serão igualmente importantes.

Que pontos fundamentais são esses? É o que você verá a seguir em ‘Como montar e gerenciar uma loja de motopeças em 2020’. Continue lendo para descobrir!

Não entraremos no mérito sobre os conhecimentos e aptidões necessários para tornar-se um empresário e iniciar seu próprio negócio. As orientações a seguir são os primeiros passos para implementação de uma loja no segmento de motopeças.

Índice:

1. Definindo o negócio.

2. Localização e estrutura.

3. Gestão.

4. O marketing é a alma do negócio, sobretudo o marketing digital.

5. Mercadoria.

6. Fornecedores.

7. Funcionários.

8. Investimento e retorno.

 

1. Definindo o Negócio

Oficina de motos

Imagem da Internet.

Você oferecerá serviços ou só venderá peças? 

As duas opções demandam investimentos diferentes em estrutura, espaço e pessoal.

Definir se a empresa será uma oficina, um varejo de peças ou varejo com oficina é o primeiro passo para avaliar os investimentos e o local para instalação do negócio.

Para sua decisão considere os seguintes aspectos desse mercado:

• A agilidade e a mobilidade para esse segmento são fundamentais, portanto, ter um estrutura para fazer trocas rápidas será um diferencial para atendimento aos clientes.

• As pessoas precisam fazer manutenção periodicamente em suas motos e irão dar preferência para resolver tudo em um único local, comprando peças e serviços.

Nem todos optam por isso, e está tudo bem. 

Você pode decidir oferecer serviços conforme o seu negócio for amadurecendo, ou mesmo decidir descartar essa possibilidade. O importante é definir como será o seu negócio.

Dica de ouro: Saiba tudo sobre o seu produto. Seja um expert cada vez mais capacitado dentro do segmento de motopeças. Isso lhe trará autoridade e solidificará a imagem da sua empresa como referência no mercado.

 

2. Localização e estrutura

Imagem da Internet.

Independentemente se você optou por consertar motos ou não, conforme dissemos anteriormente, é indicado que tenha uma oficina para realizar a troca das peças, mesmo que seja um parceiro próximo ao ponto escolhido. 

Assim como usamos um provador para experimentar roupas, com uma moto não é diferente. 

Se isso for viável para a sua empresa, tenha certeza de que o seu cliente verá isso como um diferencial positivo e se sentirá melhor atendido.

Outros fatores importantes são:

• Buscar um local de fácil acesso.

• Pesquisar as lojas concorrentes na região escolhida.

• Oferecer um estacionamento no local, ou próximo.

• Escolher uma decoração que combine com o estilo da sua marca.

 
 

3. Gestão

Gestão de uma loja de motopeças

Imagem da Internet.

A gestão é uma das partes mais importantes quando o assunto é criar e manter um negócio sustentável e saudável.

Por mais simples que pareça a administração de uma loja, existem processos essenciais que precisam ser acompanhados para garantir sua integridade e rentabilidade. 

Considere os 4 pilares a seguir, que darão sustentação à empresa:

I) Controle de estoque:

a. Definir a linha de produtos.

b. Cadastrar todos os itens, com codificação interna e localização.

c. Adotar um critério de reposição, evitando faltas ou estoques excedentes.

d. Registrar todas as movimentações com entradas e saídas de mercadorias.

e. Fazer inventários periódicos. 

 

II) Compras:

a. Ter variedade de produtos é fundamental nesse segmento.

b. Fazer parceria com um distribuidor de motopeças com entrega rápida é a melhor estratégia para evitar falta de produtos.

c. Priorizar variedade e não ter muito estoque de poucos itens é o ideal.

d. Evitar atraso de pagamentos aos seus fornecedores para manter seu crédito e aumentar seus limites de compras.

e. Cuidado com a precificação (definição do preço de venda), registre sempre no sistema o custo de cada item e respectiva margem.

 

III) Controle de Caixa:

a. Abertura e fechamento de caixa diariamente.

b. Controle de recebimentos por modalidade de pagamento (dinheiro, cartão, vale, etc).

c. Definir um único responsável pelas movimentações de caixa.

d. Registrar pagamentos de despesas com os respectivos comprovantes.

e. Programar os pagamentos de fornecedores, evitando atrasos.

 

IV) Atendimento aos clientes:

a. Formar e manter equipe com conhecimento de peças e aplicações.

b. Ter um sistema de balcão que facilite a pesquisa de estoque e dos produtos .

c. Criar um ambiente de fácil acesso para o cliente, com conforto e simplicidade no atendimento.

d. Fazer o registro dos clientes para elaborar estratégias de fidelização e acompanhamento de suas compras.

e. Se tiver espaço, criar uma área para serviços de aplicação para trocas rápidas.

 

Além desses pontos que exigem uma atenção no seu gerenciamento, controlando recursos e pessoas, precisamos levar em conta a importância das exigências legais:

·   Burocracia: Tudo deve estar de acordo com a lei. Fique atento às exigências de seu Estado/ município para garantir as licenças de funcionamento, emissão de cupom fiscal, declarações e impostos.

 

·  Software de gestão: É necessário ter um controle de tudo o que acontece na loja para que nada saia do controle: finanças, controle de pagamentos, pedidos, estoque, carga horária de funcionários, etc. Ter um sistema de controle é essencial!

 

· Gestão contábil: Um contador pode te auxiliar tanto com as questões burocráticas quanto com as questões financeiras. Tenha sempre um contador de confiança por perto caso precise contratá-lo.

 

 

4. O marketing é a alma do negócio, sobretudo o marketing digital

Estratégia de marketing digital para loja de motopeças

Imagem da Internet.

Conheça seu público, busque saber como melhor atendê-lo, faça um marketing eficiente e tudo ficará mais simples. 

Se for trabalhar com varejo, faça um levantamento de oficinas, frotistas e tele-entregas em sua região de atuação, distribuindo folders e fazendo promoções.

Mas não se limite somente ao marketing convencional ou offline. Estude melhor sobre marketing digital, canais digitais de distribuição de conteúdo e esteja onde seu cliente estiver: e a grande maioria está na internet!

Caso precise de ajuda com o seu planejamento de marketing digital, opte por contratar uma agência especializada, que possa desenvolver uma estratégia multicanais, fazer um estudo do seu cliente e descobrir como impactá-lo com o máximo de eficiência.

 

5. Mercadoria

Precisa-se de profissionais para o setor de motopeças

Imagem da Internet.

Com quais mercadorias você pretende trabalhar? 

Pode-se, ainda, trabalhar com várias partes diferentes, com uma variedade de itens. Para uma loja de motopeças, algumas opções viáveis são:

• Motopeças em geral;

• Óleo para motor;

• Capacetes e acessórios para motociclistas;

• Roupas para motociclistas;

• Adesivos;

• Lâmpadas para motos;

• Carenagem de motos;

• Baterias;

• Retrovisores;

• E muito mais.

 

6. Fornecedores

Fornecedores de motopeças

Os fornecedores não poderiam ficar de fora dessa lista. E no plural, pois você deve ter vários fornecedores diferentes, caso seja necessário efetuar uma troca e falte o estoque correspondente em um deles, por exemplo.

Duas dicas importantes antes de comprar:

• Pesquise distribuidores que possam atender seus pedidos com maior agilidade e preços competitivos – proponha uma parceria para concentrar suas compras e obter vantagens.

• Comprar direto da fábrica pode sair mais caro. Para avaliar o custo-benefício, analise as boas condições e garantias oferecidas.

 

7. Funcionários

Funcionários representam custos fixos e eventual passivo trabalhista, portanto, defina muito bem sua necessidade e o perfil das pessoas para cada função. 

Na hora de contratar, analise qualidades compatíveis com a função desejada, como conhecimento técnico e desenvoltura no atendimento aos clientes.

Aliás, atendimento é tudo. Quanto melhor a experiência do cliente, mais ele irá colocar dinheiro na sua empresa!

 

8. Investimento e retorno

faturamento de uma loja de motopeças

Na hora de criar um negócio, você deve estimar o seu retorno sobre o investimento (ou ROI) e estabelecer objetivos e metas, mas a realidade é que isso poderá variar bastante.

O retorno obtido dependerá de uma série de fatores, como: mercadoria, fornecedores, localização, investimento em marketing digital, número de funcionários, custos fixos e variáveis, ticket médio por venda, etc.

Independentemente disso, abrir uma loja de motopeças é um negócio extremamente rentável, principalmente no momento atual, em que a demanda de empresas por entregadores aumentou consideravelmente – o que aqueceu muito o nosso mercado.

As decisões estratégicas que você tomar no início da sua empresa podem fazer toda a diferença e determinar o seu sucesso ou fracasso – por isso, não subestime o poder de uma gestão eficiente!

Em termos monetários, em média você pode faturar entre R$ 18.000,00 e R$ 50.000,00 com uma empresa de motopeças de pequeno a médio porte – dito isso, lembre-se que o potencial de crescimento e escalabilidade do seu negócio depende apenas de você, do seu planejamento e da execução.

 

Obrigado por ler até aqui, esperamos que este artigo tenha ajudado na sua busca por informações sobre como abrir uma loja de motopeças!

Para mais informações sobre gestão empresarial para negócios de motopeças, entre em contato com a Methodus Consultoria clicando aqui.

Ficou com alguma dúvida? Deixe um comentário. Todo comentário é muito importante para que possamos melhorar cada vez mais.

Até breve!

 

Precificação de Produtos: O que Considerar?

Como precificar produtos

O que Considerar na Hora de Precificar Produtos?

Descubra como evitar o prejuízo na hora de precificar as peças da sua loja ou distribuidora.

Como precificar produtos

Você tem seu negócio de venda e distribuição de motopeças, mas sente que pode estar perdendo dinheiro toda vez que faz uma venda?

Nesse guia rápido, você vai aprender a evitar o prejuízo na hora de precificar as peças da sua loja ou distribuidora.

Você que tem o próprio negócio deve tomar cuidado para que, no fim do mês, o seu retorno financeiro não seja diminuído por taxas desnecessárias, inadimplência, contratos de fornecimento mal negociados, ou, principalmente, preços errados.

Por mais que você já tenha experiência de anos no ramo, ou precise manter a concorrência para segurar as vendas, dizendo que “o preço é tabelado”, leia as dicas abaixo e descubra o que você deve levar em conta para calcular corretamente o preço dos seus produtos.

Antes de avaliar qual é o Mark Up ideal para aplicar em cada linha de produtos, é fundamental entender o conceito de ponto de equilíbrio para o seu negócio. 

Em uma linguagem muito simples, é o nível de faturamento desejável para permitir que todas as despesas fixas e variáveis sejam pagas, bem como seu objetivo de retirada como pro labore

A partir desse ponto, sua margem de lucro aumenta e sua empresa consegue fazer os investimentos necessários para o crescimento.


1. Custos Fixos

Todo negócio tem custos fixos. São aqueles custos frequentes e contínuos, como aluguel, folha de pagamento, energia e telefone por exemplo. A venda das motopeças na sua loja deve suprir o pagamento dessas despesas.

Primeiro, identifique seus custos fixos. Dessa forma você sabe qual valor precisa entrar na sua empresa para manter esses custos.

E aqui vai o principal alerta para administrar seu negócio: O que entra no caixa da empresa, ou seja, sua receita, não é sua disponibilidade para pagar as despesas, pois o custo das mercadorias deve ser abatido para cálculo de sua margem;

Como diz a sabedoria popular: “apurado não é lucro”. Por isso, é importante ter um registro de tudo o que está sendo vendido para verificar o resultado, segundo a equação: 

[ Valor total de venda (-) Valor total de custo das mercadorias ]

Essa será sua margem de contribuição. Esse valor é o que existe disponível para pagar suas despesas.

2. Preço de Compra das Motopeças

Cada peça ou produto que você compra, tem um valor. 

Ter estoque exige pagar boletos, não é mesmo?

A segunda dica aqui é: 

Saiba quanto cada peça custa para você. Como dissemos acima, esse valor deve ser subtraído do seu valor de vendas, pois é para pagamento de fornecedores. Afinal de contas, você precisará repor seus estoques.

Se você compra uma bateria por R$200,00 e vende a R$250,00, significa que apenas R$50,00 vão ser utilizados para pagar custos fixos e variáveis, e contabilizados no seu lucro.

3. Custos Variáveis

Custos variáveis são custos que variam de acordo com o número de vendas, basicamente quanto mais você vende, mais custos tem. 

Exemplos de custos variáveis são: comissões para vendedores, frete sobre vendas, despesas de remessas, despesas de cobranças e impostos.

Aqui, é importante considerar quanto precisa gastar para atender os pedidos em cada canal de vendas (balcão, e-comerce, atacado).

Em caso de estudar a abertura de novos canais de venda, é importante avaliar os investimentos necessários para estudo de viabilidade. Considere o custo extra por vender, como por exemplo, ter que comprar mais prateleiras e contratar mais funcionários.

Não vale a pena aumentar em R$ 1.000,00 seus custos para vender mais R$ 900,00 em motopeças!

 

4. Margem de Lucro para Motopeças

Existem 3 tipos de margem de lucro:

Desejada: é aquela que você quer ganhar. Aqui as pessoas podem exagerar e perder vendas. Colocam margens exorbitantes e perdem clientes. 

O mesmo pode acontecer de forma inversa. Certas pessoas compram por status e podem não comprar o seu produto justamente por estar “barato demais”. Conheça seu cliente e as práticas da sua região para evitar erros.

Lucro Estipulado pelo Mercado: é aquele obtido quando você olha para seu “concorrente”, querendo entender o lucro dele.  

Não se preocupe com isso, ele pode estar tendo prejuízos, sonegando impostos, faturando em outros pontos e outra infinidade de coisas que você não tem como saber. Tentar precificar somente pelo mercado pode ser um erro fatal.

• Lucro Fixado: por fim, é aquele baseado em tabelas, como ocorre no mercado de revenda de produtos de marcas famosas no mercado, por exemplo.

Se as margens praticadas pelo mercado não são compatíveis com o tamanho da sua empresa, existem algumas soluções, como buscar diferenciações no atendimento que agreguem valor para o cliente.

 

5. Ponto de Equilíbrio de uma Distribuidora de Motopeças

Como falamos na abertura, uma vez conhecendo seus custos fixos e variáveis, agora você consegue calcular seu lucro. Portanto, para saber seu ponto de equilíbrio, terá que responder a essa questão:

Quanto eu preciso vender para cobrir todas as minhas despesas? 

Para chegar nessa informação, você precisa calcular uma média de vendas mensais e comparar com todos os gastos. 

Sobrou alguma coisa? Se não, você precisa cortar gastos, precificar corretamente e vender mais. 

Mas tome cuidado, pois esse último ponto pode aumentar seus gastos na mesma proporção, conforme citamos acima.

 

Quer saber mais?

Se gostou dessas dicas e gostaria de saber como pode melhorar e investir no crescimento da sua Loja ou Distribuidora de Motopeças, fique atento ao nosso conteúdo. Continue navegando pelo nosso Portal para mais informações e notícias do setor de motopeças, deixe seu comentário e acompanhe nossas redes sociais.

A Methodus Consultoria possui especialistas para ajudá-lo a estruturar seu negócio, elaborando um diagnóstico completo sobre a saúde da sua empresa, orientando na implantação de processos, ferramentas e estratégias para um crescimento sustentável e para que você obtenha cada vez mais lucro.

Somos focados no segmento de Motopeças, entendemos as práticas e principais dificuldades do setor. Isso nos permite atuar com agilidade e precisão na busca por soluções personalizadas para nossos clientes. Com base nisso, desenvolvemos o Sistema CRESCER de consultoria para negócios de motopeças.

Ficou interessado? Entre em contato com nossos consultores e conheça a melhor opção para o crescimento do seu negócio.

 

 

As 9 Características do Gestor Eficaz (+ E-book Gratuito)

gestão de equipe

As 9 Características do Gestor Eficaz (+ E-book Gratuito)

Descubra as 9 principais características consideradas essenciais para otimizar o desempenho e os resultados da sua equipe.

gestão de equipe

Não importa se você é dono, diretor, gerente ou chefe de equipe, também não importa a quantidade de pessoas que estão sob sua liderança, a verdade é que os resultados obtidos ou esperados de sua empresa ou da área que você comanda, dependem de suas habilidades e competências como gestor, para tirar o máximo de sua equipe.

A seguir relacionamos as 9 principais características consideradas essenciais para otimizar o desempenho e os resultados.

Como forma de exercício e avaliação pessoal, sugerimos que atribua uma nota de 0 a 10 em relação a sua performance para cada tópico. 

Existe, muitas vezes, uma grande diferença entre “como nos vemos” e “como somos vistos”. 

Para obter um feedback de sua equipe, solicite que façam a mesma avaliação sobre esses aspectos quanto a sua forma de atuação e compare com suas respostas.

Nas próximas publicações, apresentaremos orientações e ferramentas para melhorar seu desempenho em cada uma das características.

Confira as 9 características do gestor eficaz a seguir!


1. Motivação

Uma Equipe motivada e bem orientada em relação aos objetivos e o papel de cada um é fundamental para encontrar sinergia e bem estar no ambiente de trabalho.

Ser chefe não significa necessariamente ser um bom líder!

Para motivar pessoas é preciso que o líder esteja sempre automotivado. Também deve ser capaz de fazer uma leitura de cada comandado, entendendo a melhor forma de convencê-los a dar o máximo de si em seus projetos.

 

2. Proatividade

Ser proativo é, basicamente, não esperar as coisas acontecerem de maneira aleatória.

O líder proativo deve estar atento ao desempenho de sua equipe e sempre em busca de novos conhecimentos e ferramentas para melhoria de resultados e crescimento individual de seus colaboradores.

Um verdadeiro líder não pode se acomodar com a obtenção dos mesmos resultados sempre ou com a reincidência dos mesmos problemas.

A busca de crescimento contínuo e superação dos obstáculos dependem dessa capacidade de antecipação e proatividade.

Além disso, ele conta com ampla visão estratégica para o seu crescimento profissional e se recusa a tornar-se obsoleto.

Ele investe em novos conhecimentos, em especializações e no aprofundamento do seu conhecimento, para não estagnar na carreira.

 

3. Liderança

Para os leigos, é comum separar os papéis de gestor e de líder. Nos negócios, porém, é indispensável que ambos sejam desempenhados concomitantemente, pois não há mais espaço para gestores sem habilidade para liderar.

A principal habilidade para um bom líder é entender de pessoas, é saber que cada funcionário ou membro da equipe responderá de forma diferente aos seus estímulos e argumentos.

Alguns são motivados por recompensas, outros pelo prazer das conquistas.

Gostar de pessoas e ter empatia por seus sentimentos, ambições e respeitando seus limites e crenças é fundamental para conquistar o respeito e a confiança. 

Isso porque liderar independe de autoridade ou de poder. É ser capaz de persuadir e influenciar por meio de uma comunicação ativa e eficaz.

Ter uma argumentação consistente, clareza na exposição de ideias, sempre buscando por soluções em conjunto com as pessoas ao seu redor, aproveitando suas potencialidades e fazendo com que sintam-se confortáveis em contribuir com suas ideias.

 

4. Capacidade de dar e receber feedbacks

Todo colaborador necessita de um líder que o motive, que saiba encorajá-lo e que o estimule na busca por bons resultados.

Contudo, é essencial que o gestor tenha a capacidade de dizer no que tanto a equipe quanto ele mesmo podem melhorar. É nesse momento o feedback se faz essencial.

Esse canal de diálogo estabelece uma excelente ferramenta de aprendizado e aprimoramento do trabalho individual e em conjunto dentro de uma empresa.

Afinal, é por meio dele que você mostra ao seu colaborador como ele é percebido e avaliado dentro do mercado.

O oposto também é válido, e você deve ser humilde e tolerante para ouvir comentários sobre sua gestão — que podem não ser o esperado. 

Para isso, é preciso criar uma cultura dentro do ambiente de trabalho onde o feedback é recebido, e não imposto.

Também é importante demonstrar ao colaborador que, quando ele tiver um retorno negativo, isso significa que seus superiores estão acompanhando suas tarefas e desempenho e que se importam com o seu desenvolvimento.

Essa orientação serve para construir uma relação mútua de confiança e apoio a fim de promover mudanças positivas e o crescimento da empresa.

 

5. Inteligência emocional

Um bom gestor deve estar comprometido com o sucesso não só dos projetos, como da sua equipe e com os valores da empresa.

Para isso, é preciso saber lidar com as emoções, ou seja, ter inteligência emocional, para não perder a estabilidade psicológica, uma vez que você irá lidar com pessoas distintas, solucionar conflitos e participar de situações adversas.

Enfrente os desafios com sabedoria, coerência, tato e disciplina.

 

6. Gerenciamento de conflitos

Conflitos são comuns em um ambiente de trabalho. No entanto, às vezes, é preciso intervir e saber mediar situações que estejam desestabilizando a equipe.

O trabalho em conjunto é fundamental para se obter êxito, e as relações interpessoais têm papel importante no equilíbrio de um ambiente harmônico.

Para ser capaz de gerenciar conflitos é preciso ter empatia com os liderados, se colocando no lugar do outro e tentando entender o seu lado da história, seu ponto de vista.

É importante ouvir e buscar uma solução que acabe com a insatisfação de ambas as partes conflitantes. 

Administrar pessoas requer um trabalho contínuo de aptidão social e equidade.

 

7. Controle de processos e pessoas

Ser um gestor eficiente é saber negociar e delegar as tarefas de forma responsável, mostrando confiança e respeito pelo trabalho dos seus colaboradores, mas sem esquecer de controlar e acompanhar de perto o desenvolvimento de cada ação.

Além disso, é preciso analisar se as entregas são feitas dentro do prazo e se as devidas alterações são realizadas quando necessário.

Trata-se, portanto, de ser o agente catalisador de pessoas, planos, serviços e processos sempre em mutação — uma competência estratégica cada vez mais desejada dentro das empresas.

 

8. Planejamento objetivo e estratégico

A função do gestor dentro de uma empresa vai muito além da admissão de novos funcionários, solução de conflitos internos ou a gestão de colaboradores com foco nos ganhos e resultados.

Ele possui um papel fundamental no planejamento e na estratégia dos negócios, funcionando como o elo entre a estratégia e a ação.

A sua importância anda junto do bom desempenho e da lucratividade da empresa.

Um bom gestor é reconhecido por encarar o ato de planejar como algo contínuo, gradativo, flexível e responsável — ou seja, como um líder que não busca apenas o seu desempenho no presente, mas também no futuro.

 

9. Autorresponsabilidade

Um gestor eficaz tem uma postura de autorresponsabilidade, reconhecendo que o que ele está vivendo é o resultado de como tem pensado, falado, se comportado, trabalhado e encarado a vida e os desafios.

Ser autorresponsável é ter a capacidade de se responsabilizar completamente pelos resultados que tem colhido, com otimismo e motivação, independente das circunstâncias.

 

Conclusão

As características de um bom gestor que citamos aqui são essenciais para combinar os interesses da empresa às potencialidades dos seus colaboradores, desenvolvendo um trabalho de equipe proativo e motivado, que gere resultados concretos.

Através de sua autoavaliação, identifique seus pontos fortes e pontos fracos.

Busque conhecimento para evoluir sempre e , principalmente, verifique quais mudanças de atitudes podem ajudá-lo a conquistar o respeito e a admiração de sua Equipe.

E você? Já se considera um gestor eficaz? Qual dessas características você já desenvolveu, e qual precisa trabalhar para desenvolver ainda mais? 

Deixe sua contribuição nos comentários! 

Ah, e que tal compartilhar esse conteúdo com os gestores da sua empresa, ou com sua equipe para que façam uma autoavaliação, e também lhe avaliem como gestor? 

Para te ajudar com isso, fizemos uma versão dessa matéria em formato de E-book (PDF), totalmente gratuita para você baixar e utilizar como fonte de motivação ou compartilhar com quem desejar. 

Insira seu e-mail abaixo para fazer o Download Gratuito, e boa leitura!

 

Até a próxima! 

 

Sua loja de motopeças está preparada para atender o público feminino?

mulher de moto

Sua loja de motopeças está preparada para atender o público feminino?

Com a expansão do mercado de trabalho e aumento da renda, a mulher passou a ter destaque nas estratégias de marketing em todos os setores. 

mulheres motociclistas

Fonte: DENATRAN

Não é de hoje que os especialistas em marketing e vendas sugerem o foco no público feminino para atingir melhores resultados. Esses profissionais buscam, cada dia mais, compreender e atingir suas demandas específicas através de pesquisas. E isso não pode ser negligenciado em nosso setor de motopeças de forma alguma.

A mulher brasileira passa por um intenso processo de empoderamento e expansão financeira sem precedentes.  São chefes de família e desempenham cada vez mais papéis de liderança dentro das empresas de todos os tipos, pois o mercado aprecia a cultura e o comportamento característico às mulheres nas tomadas de decisões e no direcionamento de projetos e equipes. 

Elas também possuem mais anos de formação e qualificação profissional em relação aos homens, o que interfere em seus critérios de compra. É o público que mais tempo passa nas redes sociais e internet em geral – ainda mais se considerarmos o público feminino jovem.  

Estes dados são apenas uma amostra do quanto o público feminino é importante para movimentar a economia em geral, e não pode ser negligenciado por nenhuma empresa brasileira, independentemente do seu nicho de mercado. 

No mercado de motopeças, especificamente, temos a comprovação de que a cada ano aumentam os números de mulheres motociclistas no Brasil, como apontam os dados divulgados pelo DENATRAN em 2020. Segundo esses indicadores, as mulheres habilitadas para pilotar motocicletas já representam 23% do número total de condutores.

Nos últimos 10 anos, as corporações buscam compreender de forma estratégica como se comportam as mulheres diante das ofertas – o que as faz se decidir pela compra, o que mexe com o seu imaginário, qual o seu processo de escolha (preço, tempo de uso, qualidade, etc.).  

Todos esses aspectos devem ser observados na hora da escolha do seu mix de produtos e na criação de ações de vendas, para garantir que a oferta esteja à altura da demanda. Afinal de contas, você deve tomar as medidas necessárias para fidelização do público feminino antes da sua concorrência… E elas gostam de variedade com atendimento diferenciado!


As mulheres consumidoras em nichos historicamente masculinos

mulher de moto

Essa questão em particular foca no poder de consumo específico da mulher – é preciso entender o seu comportamento para oferecer produtos que atendam às suas expectativas e necessidades, com propagandas e campanhas que sejam assimiladas especificamente por este público.  

No mercado de motopeças, por exemplo, é comum ver ações de vendas e propagandas focadas exclusivamente no público masculino. O que as empresas não se dão conta é que: aquilo que atrai a atenção dos homens não é a mesma coisa que atrai o interesse da mulher… Ou seja, não há muito esforço por parte dos fabricantes e lojistas desse nicho para atrair e fidelizar o público feminino. 

Isso representa uma grande lacuna no setor, pois o número de mulheres motociclistas no Brasil aumenta mais a cada dia, como visto acima. Sem mencionar aquelas que andam na garupa e também precisam de acessórios de proteção estilizados à altura! 

Se antes alguns produtos tinham a ação estratégica voltada exclusivamente para os homens – como as propagandas de bebidas, carros e motos, por exemplo – a abordagem sexista caiu por terra, já que as mulheres crescem entre os consumidores de todos os segmentos, sem limitações. 

Isso indica a importância das estatísticas e pesquisas para entender o comportamento e o potencial de compra do público feminino, como diretrizes para que as empresas possam se atualizar e rever os próprios conceitos, apresentando estratégias para ampliar sua participação de mercado, buscando produtos e fornecedores alinhados com essa tendência.

O que é preciso analisar para adequar meu negócio a esse segmento?

mulher motoqueira

Imagem: Divulgação internet

O público feminino é um segmento bem específico e irá se expandir continuamente. Por isso, é importante conhecer a fundo o seu comportamento e os seus anseios, e ter em foco as seguintes premissas que determinam o seu direcionamento no mercado e garantem a fidelização da cliente:

  • Qualidade dos produtos e marcas confiáveis
  • Atendimento personalizado
  • Variedade no mix de produtos
  • Criatividade nas ações de vendas e propagandas
  • Espaço físico sem limitações de gênero


    Esses são apenas alguns conceitos que devem estar presentes nas ações de marketing.

    Vale lembrar que a mulher possui uma posição estratégica enquanto formadora de opinião: o seu aval está relacionado a diversos outros públicos, principalmente o masculino. 

Não é raro ver o seu cliente homem chegando à loja acompanhado da namorada ou esposa, certo? A sua impressão sobre os serviços e produtos conta, e muito!

Atualmente, como está a oferta de acessórios de motos para mulheres?

mulher em moto pcx

Imagem: Divulgação internet

Que o nosso mercado precisa evoluir no que diz respeito à oferta de produtos voltados ao público feminino, tanto em variedade quanto nas ações de vendas e propagandas, é certo! Mas, o que observamos atualmente sobre isso? A demanda aumentou… Será que as empresas estão atentas a essa tendência?

O que temos visto é que houve um aumento, sim, por parte da oferta de produtos específicos para o público feminino no nosso nicho, porém, nada perto do que a demanda representa! 

Inclusive, uma boa estratégia para lojistas é buscar valorizar as mulheres enquanto ainda andam na garupa, pois a tendência de se manterem fiéis à sua loja ou marca após se tornarem pilotos é altíssima.

Isso porque existe um movimento natural que faz com que as mulheres adquiram um maior interesse e gosto por motocicletas após acompanhar seus parceiros em viagens e passeios, vindo a se tornarem pilotos posteriormente.

Vestuário e acessórios para motociclistas mulheres

mulher motociclista

O principal produto que apresenta opções com estilos diferentes e maior variação para mulheres é o capacete. São vários modelos com desenhos e cores pensados especialmente para as motociclistas mulheres – nesse quesito, o lilás e o rosa costumam agradar bastante! 

 A jaqueta é outro produto muito procurado pelas mulheres, pois os modelos femininos possuem um corte diferenciado para valorizar a silhueta. As cores variam entre as mais clássicas e as mais ousadas, como vermelho e azul. Apesar do mercado brasileiro apresentar algumas opções, as fabricadas no exterior costumam ser diferenciadas e também chamam a atenção.

No vestuário, dois produtos que ainda deixam a desejar em termos de atratividade para o público feminino são as calças e as botas para mulheres motociclistas. As calças de proteção, em particular, não costumam valorizar o corpo, o que faz com que as mulheres optem por calças em tecido comum, aumentando seu risco e exposição a danos em caso de quedas.

As botas decepcionam ainda no quesito cores e variedade, pois a maioria segue um “estilo comum” na cor preta e não possuem salto, o que não costuma atrair o interesse das mulheres!  

As capas de chuva, por sua vez, apresentam variedade nas cores, mas quando o assunto é conjunto (calça e jaqueta), as opções caem consideravelmente. 

Segundo levantamento realizado por Amanda Pagliari, colunista do site Mulheres de Moto,  “a principal queixa das mulheres é pela falta de opções de modelos”. A variação de modelos é muito importante, ou seja, não basta ter no estoque apenas um modelo disponível, mesmo que em diversas cores. 

Ela ainda constatou que, no mix de produtos dos lojistas em geral, os produtos campeões em queixas são as luvas, que apresentam pouca opção de marcas, modelos e cores.

Conclusão: espaço para melhorias!

Como vimos no artigo de hoje, o mercado de motopeças, vestuário e acessórios para mulheres motociclistas vem trazendo algumas novidades e apresentando melhorias para atender ao público feminino ao longo dos últimos anos, porém ainda existe muito espaço para sofisticar o atendimento para esse segmento! 

Pensar em ações estratégicas de vendas e buscar enriquecer seu mix de produtos com peças e acessórios atrativos para as mulheres não é apenas uma maneira de manter-se atual nas tendências e indicadores… Significa também pensar no fortalecimento do seu negócio e no aumento dos seus resultados.

Para os fabricantes, é essencial usar a criatividade e manter um olhar minucioso, direcionado para as tendências de moda e estilo, visando aliar conforto e segurança sem deixar a feminilidade de lado.

Pare agora e pense por um minuto: quanto você e sua marca ou loja valorizam o público feminino em suas decisões estratégicas? O seu espaço é preparado e adaptado para atender mulheres motociclistas com o diferencial necessário a esse segmento? 

Uma coisa é certa, se você não se atentar para esse segmento de consumidores que cresce mais e mais a cada dia, alguém vai tomar uma atitude antes que você! Posicione-se enquanto ainda há tempo para apresentar essas mudanças como um “diferencial” no mercado… Em breve não haverá mais essa opção! 

Deixe aqui nos comentários sua opinião sobre o assunto… O que você tem observado no dia a dia em relação à demanda por produtos voltados ao público feminino? Queremos conhecer seu ponto de vista

Continue navegando pelos conteúdos do Portal Methodus – O Mundo das Motopeças para muito mais insights e dicas importantes para o seu negócio de motopeças

Infográfico: o que esperar do mercado pós-pandemia?

mercado pós-pandemia

Infográfico: o que esperar do mercado pós-pandemia?

Descubra quais são as tendências para os negócios após o fim da pandemia do Covid-19.

Que o mundo nunca mais será o mesmo após o fim da pandemia do Covid-19, ou coronavírus, não é surpresa para ninguém! Mas, você já parou para pensar em quais serão os principais aspectos de mudança na sociedade, e, principalmente nos negócios?

Em colaboração com o Portal Methodus, Antônio Menezes, da Stylu, elaborou um infográfico onde relaciona quais tópicos merecem atenção nos negócios pós-pandemia a seu ver, trazendo reflexão sobre o tema. 

Dentre eles, estão: home office como tendência definitiva de trabalho, a forma como os dados e informações são capturados, armazenados e processados, novos modelos de negócio, atenção especial a crenças e valores corporativos, mudanças nos hábitos de consumo, reconfiguração dos espaços de trabalho, valorização e novas formas de serviços com delivery, experiências culturais voltadas para o universo virtual, comodidade de morar perto do trabalho como prioridade, e o aumento da demanda por educação à distância. 

Para ver as informações completas, confira o infográfico: 


Infográfico que mostra as tendências do mercado pós-pandemia

O compartilhamento do material produzido por Antônio Menezes vai ao encontro da nossa intenção de tornar o Portal Methodus um espaço colaborativo para que a nossa comunidade possa se conectar através de informações e conteúdos relevantes para o setor como um todo. Em breve teremos novidades sobre esse “canal”!

E você? O que achou das tendências para o mercado pós-pandemia? Qual dos aspectos citados no infográfico é mais importante, pelo seu ponto de vista? Queremos muito saber a sua opinião! Deixe seu comentário abaixo e compartilhe esse post nas suas redes sociais. 

Continue navegando pelo Mundo das Motopeças para ver muito mais conteúdos de valor para o mercado de motopeças! E lembre-se de clicar no botão “Pesquisa de Interesse” na barra superior para nos contar sobre o que você deseja ver por aqui. 

Até a próxima!

 

Fidelizando seu Cliente: Como Evitar Problemas Básicos na Moto

problemas na moto

Fidelizando seu Cliente: Como Evitar Problemas Básicos na Moto

A revisão frequente da moto é fundamental para evitar grandes despesas de manutenção para seu cliente, e uma excelente oportunidade de fidelização.

problemas na moto

A manutenção preventiva deve ser vista como um investimento na fidelização de seu cliente, pois demonstra sua preocupação em evitar que ele fique sem moto nas horas em que mais precisa.

Muitos donos de motos cometem erros banais todos os dias que acabam por gerar problemas em médio prazo ou longo prazo.

Imagine criar um banner para sua loja ou oficina sugerindo esses cuidados básicos, ou até mesmo criando um sistema de revisão gratuita e agendada. Com certeza alguma troca necessária ou preventiva irá gerar receita de serviços e peças.

Enquanto a moto é verificada, ele terá tempo para olhar acessórios, capacetes, roupas e outros itens que entrarão em sua lista de futuras compras.

Procure criar um ambiente confortável, organizado e agradável para que ele aproveite sem pressa o tempo de espera. Café, água e banheiros limpos e uma boa conversa, são mínimas atenções que seus clientes merecem.

A seguir, confira sugestões de itens para verificação rápida!

Atenção ao Nível de Óleo

Esse item está em primeiro lugar, muito cuidado com o motor da motocicleta.

Seu cliente deve ficar atento ao prazo em que fez a última troca e a quilometragem rodada e recomendada pelo tipo de lubrificante usado.

De forma geral, os motores das motos são mais exigidos no trânsito do que os dos carros.

Mas, o que fazer se o nível do óleo baixar?

Fique de olho: os motores das motos gastam pouco óleo.

Se baixar demais, é sinal de problema e oportunidade de manutenção para sua oficina. 

Oriente-os a observar com atenção o chão da garagem. Não ignorar o problema, pois a tendência é sempre piorar.

Se tiver vazamento, umas das hipóteses é trocar as juntas desgastadas.

Atenção para a Regulagem de Freios e Embreagem

Muitos motociclistas “exageram” na dose no uso da embreagem, e usam pouco a posição neutra da marcha em sinais ou paradas rápidas. Isso acelera o desgaste do conjunto, inclusive os cabos.

A regulagem de freios (pastilhas ou lonas) é outro item negligenciado pelos motociclistas. 

Sempre analise esses itens, em qualquer tipo de serviço que seu cliente fizer em sua oficina. No mínimo, a troca do fluido de freio será necessário.

Mantenha os Pneus Calibrados

Tome cuidado redobrado com os pneus da moto.

Calibre os pneus segundo as recomendações do fabricante.

Se o pneu está muito murcho, a chance de ele furar aumenta consideravelmente.

Atualmente, existem diversas opções de fluidos especiais para aplicar nos pneus, visando evitar que eles esvaziem por pequenos furos no trânsito ou em viagens. 

Pode ser uma oportunidade de venda adicional, sempre que fizer alguma manutenção ou troca de pneus.

Verifique os Amortecedores

O conjunto de suspensão da moto, seja dianteiro ou traseiro, são itens que possuem prazo de validade, ou seja, eles precisam ser trocados de tempos em tempos.

Poucos motociclistas entendem que esses também são itens de desgaste e podem ser muito perigosos para o equilíbrio da moto durante a pilotagem, principalmente em curvas e frenagens. 

Fique atento a vazamentos dos retentores, desgaste de molas, e regulagens dos sistemas.

Verifique o Uso de Gasolina Adulterada

Oriente bem o seu cliente quanto ao tipo e qualidade da gasolina utilizada.

Os sistemas de carburação ou injeção eletrônica das motos são bem mais sensíveis do que os de automóveis.

A injeção eletrônica já deixou de ser novidade nas motocicletas há algum tempo e, hoje, domina o mercado de veículos novos. Isso faz com que a demanda pela manutenção desse sistema seja grande, tornando o scanner uma ferramenta simplesmente indispensável em qualquer oficina de motos.

Afinal, ele é o único equipamento que permite ao mecânico identificar os problemas de funcionamento do sistema de injeção eletrônica, fornecendo um diagnóstico preciso para que o reparo de eventuais falhas possa ser realizado rapidamente. 

Se sua oficina ou loja ainda não trabalha com esse item, considere urgentemente realizar esse investimento, além de promover treinamento para sua equipe.

Manutenção e Ajuste do Kit Relação

A função corrente ou correia é transmitir o torque, ou seja, ela leva a força do motor até as rodas.

Lubrificação adequada, regulagem da folga conforme especificações e observações de desgaste são fundamentais.

Recomenda-se o lubrificante óleo do tipo 90.

Não Esqueça da Bateria

Outro item de que você deve cuidar muito bem é a bateria.

Por ter um valor agregado alto, a bateria precisa de cuidados especiais em sua loja:

  • Condições de estocagem;
  • Equipamento para teste e recarga;
  • Preenchimento do formulário de garantia no momento da venda;
  • Teste do sistema elétrico da moto;
  • Manter boa parceria com seu fornecedor para treinamento e reposição de garantias.

Lembre-se: a falha na bateria da moto é um problema que vai incomodar bastante o seu cliente, pois ele vai precisar dela a todo momento para pilotar sua moto – e, quando ela não funcionar, é de você que ele irá lembrar, e não do fabricante da peça. 

Portanto, teste sempre todo o sistema e tenha sua documentação, garantias e processos de acordo com as orientações técnicas de fábrica.

Por último, manter o controle com um cadastro e o histórico de trocas e manutenções de seus clientes pode ser um diferencial de atendimento e uma oportunidade de gerar vendas através de mensagens e lembretes para trocas ou promoções para um check list gratuito.

Gostou das dicas? Continue acompanhando nosso Portal para muito mais conteúdos como esse! Compartilhe esse artigo e deixe abaixo seu comentário contando a sua experiência com fidelização de clientes!

 

5 Pilares que Irão Evitar a Falência de sua Empresa

Sucesso

5 Pilares que Irão Evitar a Falência de sua Empresa

Sucesso

Todo empresário deseja que o seu negócio prospere e obtenha resultados duradouros, crescendo mais a cada dia, concorda?

O desafio de comandar uma empresa exige preparação e conhecimentos específicos de gestão. A vocação intuitiva para negócios não garante a sobrevivência da empresa.

Neste artigo, você vai descobrir os 5 pilares para construir uma empresa de sucesso, evitando resultados negativos e até mesmo a falência. 

Entenda a importância de ter objetivos bem definidos para o futuro do seu negócio, administrar corretamente as contas da sua empresa, gerir com eficiência seus processos e operações  e, por fim, agir de maneira estratégica no que diz respeito a competitividade e liderança. 

Continue lendo e descubra como levar a sua empresa ao nível de sucesso que você deseja! 

1. Planejamento

Ter objetivos bem definidos para o futuro de seu negócio é fundamental para saber quais os caminhos a seguir e quais as decisões mais acertadas a tomar no dia a dia da empresa.

Um planejamento empresarial para um período de 6 meses a um ano, já garante uma meta e uma visão de futuro para que você e sua equipe concentrem energias para buscar um resultado comum.

Exemplo de objetivos ou metas:

·        Aumentar o faturamento em 20%;

·        Aumentar a rentabilidade em 15%;

·        Abrir nova filial;

·        Ampliar a área de oficina para aumentar clientes;

·        Implementar uma seção de boutique com acessórios de
maior valor agregado;

·        Implementar e-commerce.

Fique atento: 

Planejamento sem um plano de ação e sem acompanhamento de indicadores, é somente um exercício de previsão de futuro.

2. Gestão Orçamentária

Falar em administrar bem as contas da empresa, parece uma condição óbvia para qualquer empresário, porém, nossa experiência em consultoria tem nos mostrado que essa área é bastante negligenciada nas pequenas e médias empresas, principalmente por se tratar de empresas familiares em sua maioria.

Confundir receita com lucratividade, falta de clareza sobre os recursos financeiros e sobre o resultado operacional são situações típicas dessas empresas.

Uma pergunta que sempre incomoda empresários e gestores é “qual é o resultado operacional de seu negócio?”. Normalmente a resposta está relacionada ao fluxo de caixa, e o incômodo ocorre porque não sabem exatamente como fazer essa apuração.

Uma gestão orçamentária eficiente, exige o controle das seguintes informações:

·      Apuração das despesas fixas e variáveis, com uma boa estrutura de plano de contas;

·      Acompanhamento do faturamento por produto ou serviço, e de preferência por canal de vendas;

·   Apontamento correto dos custos das mercadorias ou dos recursos para realização de serviços (se for o caso);

·   Registrar as despesas financeiras, taxas bancárias, custo de operações com cartões de crédito, juros e empréstimos;

·        Acompanhar o valor e a variação dos estoques;

·   Registrar todas as retiradas de pro labore para os sócios ou pagamento de despesas pessoais.

O uso de Sistemas Integrados de Gestão (ERP) torna-se essencial na medida em que a empresa movimenta muitos itens, e existem sistemas com custos viáveis para qualquer tipo de operação. 

Atribuir esses controles para a contabilidade da empresa, que normalmente é terceirizada, não garante uma visão gerencial do negócio. Esses recursos devem ficar disponíveis com relatórios e dashboards como ferramentas de decisão para os gestores e sócios.

3. Gestão Operacional

Saber o que ocorre no dia a dia de sua empresa irá evitar surpresas sobre o resultado e sustentabilidade do negócio.

Alguns processos são fundamentais para garantir lucratividade e crescimento:

·        Calcular a precificação dos produtos e margens de rentabilidade;

·        Acompanhar o faturamento diário;

·        Acompanhar o desempenho dos colaboradores;

·        Identificar e dar atenção especial aos principais clientes da empresa;

·        Gerenciar o fluxo de caixa da empresa;

·        Saber os índices de inadimplência.

Não significa que os gestores tenham que estar envolvidos nas atividades operacionais de cada um desses processo, mas implementar indicadores que permitam entender as tendências dos resultados e atuar sempre que necessário para corrigir os desvios e manter a empresa em direção aos seus objetivos.

4. Competitividade

Todo empresário precisa entender que só existe uma fórmula para que seu negócio tenha sustentabilidade:

RECEITA – DESPESAS = LUCRO

Isso também pode parecer óbvio, porém, muitos esquecem que a empresa é somente um gerador de despesas e que a receita está no mercado e na fidelidade dos clientes.

Observar as tendências, riscos e oportunidades que acontecem em seu segmento de atuação, observando concorrentes e fornecedores é o que diferencia os empreendedores de sucesso.

Essa visão estratégica é uma função difícil de delegar e uma característica fundamental que deve ser aprimorada pelo empresário para garantir uma gestão de sucesso.

5. Liderança

Um navio sem comando fatalmente irá navegar à deriva e dificilmente chegará a algum destino seguro. 

Um bom líder sabe onde precisa chegar, organiza sua equipe de forma eficaz, tem o sentimento de autorresponsabilidade, age com proatividade, entende de planejamento e estratégia e, acima de tudo, sabe envolver e motivar as pessoas que fazem parte de seu time.

Para seguir um líder, nós precisamos acreditar em seu sonho, em sua visão de sucesso. 

Por essa razão, encerramos nossas recomendações para que você conquiste seus objetivos como empresário e líder, com um discurso de Abílio Diniz, onde ele nos revela que “o grande segredo dos empresários de sucesso é buscar algo além da lucratividade, uma razão maior, um objetivo mais nobre para que você busque realização e felicidade em seu negócio”.

Lembre-se que você é responsável pela satisfação de seus funcionários e clientes, e que faz parte de um ciclo de geração de riquezas e de vida de muitas famílias.

Conclusão

Ser empresário em nosso país não é uma missão fácil. Muitos irão falhar. Segundo o SEBRAE, 60% das empresas fecham com apenas 2 anos de atividade.

Cabe a nós, empresários, desafiar essa estatística. Para isso, precisamos nos preparar, aprender, ter humildade para estender a mão, ajudando ou pedindo apoio. 

Buscar conhecimento com aqueles que já trilharam o caminho é sinal de maturidade e visão estratégica, é navegar usando tecnologia, encurtando o caminho para o sucesso.

A Methodus Consultoria possui profissionais com experiência de mais de 20 anos no mercado de Motopeças e tem trabalhado com Distribuidoras, Fábricas e Lojistas na implantação de processos de Gestão, otimizando resultados e competitividade.

Através da Metodologia CRESCER, desenvolvida e comprovada pelos resultados positivos obtidos por nossos clientes, temos soluções adequadas para cada perfil de empresa. 

Entre em contato com nossa equipe se deseja encontrar soluções viáveis sob medida, traçando caminhos seguros para o seu negócio.

Conte conosco!