fbpx

Portal Methodus

O que é o controle de estoques e por que é tão importante para sua empresa?

O que é o controle de estoques e por que é tão importante para sua empresa?

Entenda como o controle de estoques pode aumentar sua lucratividade e melhorar a saúde financeira de sua empresa.

Nos trabalhos de Consultoria, ainda na fase de diagnóstico empresarial, um dos principais tópicos que avaliamos é a “saúde” do estoque da empresa considerando os seguintes aspectos:

1. Qualidade dos registros de entradas e saídas – uso efetivo do Sistema ERP

2. Giro de estoques – compatibilidade dos níveis de estoque / reposição e médias de vendas

3. Valor geral dos estoques x faturamento

4. Curva ABC de estoque e critérios de reposição (algoritmos de compras)

5. Estoque de produtos sem movimentação

Com base nessas informações, conseguimos identificar a causa-raiz de muitos problemas enfrentados pela empresa:

Problemas de fluxo de caixa

Falta de capital de giro

Deficiência no atendimento de pedidos pela falta de mercadorias

Problemas de limitações no espaço físico

Erros de inventário

Falta de confiança nas equipes de movimentação interna


Para ter uma ideia da quantidade de processos que envolvem decisões estratégicas com base nas informações de estoque, veja a imagem abaixo:

Não importa o tamanho do negócio ou o nível de faturamento, o que temos observado é uma falta de atenção para controlar o principal patrimônio da empresa: o estoque.

O crescimento rápido das lojas, evoluindo muitas vezes de um processo de informalidade e poucos itens para uma movimentação cada vez maior, causa um descompasso entre o operacional e os controles de sistema.

Nessa transição, normalmente com a implantação de sistemas ERP, existe uma relutância em fazer inventários, implantando o sistema apenas para registrar movimentações.

É extremamente importante fazer a contagem de estoques e ajuste de inventários no sistema, criando em seguida regras rígidas de movimentação (entradas e saídas). 

Esse marco zero, migrando todas as informações para a base de dados, transforma a cultura da empresa para que todos valorizem a organização, o cadastro de produtos, o endereçamento dos itens (localização) e principalmente o controle de custos e preços de vendas.

Em empresas com 10 a 15 mil itens é impossível depender de controles em fichas, planilhas ou nos piores casos, da cabeça do dono ou dos funcionários. 

Os problemas irão aparecer cedo ou tarde e muitas vezes colocando a empresa em risco de falência.

Agora que você já entendeu a importância de um controle de estoques bem feito, listamos abaixo algumas recomendações básicas para te ajudar nesse processo:

1. Utilize um Sistema ERP que realmente seja compatível com o tamanho de seu negócio (custo de sistema não é “despesa”, é o melhor investimento que você pode fazer em sua empresa).

2. A implantação é o melhor momento para ajustar informações gerais de cadastro, marcas, especificações e parametrizações de custos, impostos e margens.

3. Faça um inventário rigoroso, estruturando seu estoque com endereçamento de ruas e prateleiras. Isso facilitará a separação de pedidos e atendimento aos clientes, bem como irá tirar a dependência de funcionários que se impõe ao negócio dominarem a localização das peças.

4. Realize suas compras de reposição de estoques com base em relatórios do sistema comparando giro (vendas) e as faltas.

5. Tenha uma atenção muito especial para itens sem movimentação, pois o dinheiro parado referente a esses itens pode fazer falta em seu fluxo de caixa. Identifique os itens e faça promoções.

6. Organize sua exposição de produtos de acordo com cada família de materiais, lembrando que acessórios e marcas premium precisam estar ao alcance dos clientes.

7. Se sua empresa possui um setor de serviços e aplica peças do estoque, considere todo o controle de uso dessas peças através de requisições e vínculo com as ordens de serviços. Dessa forma, você terá um controle de suas vendas através desse setor, ponderando os custos e a viabilidade da área.

Atenção: adiar essas ações somente irá aumentar seus problemas e dificultar a transição para transformar sua empresa em um negócio com organização e controle.

Dois ou três dias são suficientes para implementar essas mudanças, e isso pode ser determinante para a sobrevivência da empresa. 

A Methodus Consultoria tem uma equipe de profissionais capacitados, que podem orientar essa transformação. Consulte nossos especialistas.

 

Venda de scooters pela internet cresce 16% em 2021; veja os mais vendidos

Venda de scooters pela internet cresce 16% em 2021

nmax 160 - Renato Durães/Infomoto - Renato Durães/Infomotofonte:https://www.uol.com.br/carros/colunas/infomoto/2021/08/08/venda-de-scooters-pela-internet-cresce-16-em-2021-veja-os-mais-vendidos.html

Basta rodar em qualquer cidade grande ou média do Brasil, para notar o aumento das scooters nas ruas. Fáceis de pilotar em função do câmbio automático CVT, econômicos e acessíveis, esses veículos têm conquistado cada vez mais adeptos. No 1º semestre deste ano, a venda de scooters usados pela internet registrou crescimento de 16% em comparação ao mesmo período do ano passado. Os dados são de um levantamento da OLX, uma das maiores plataformas online de compra e venda de veículos do Brasil

“Percebemos que alguns fatores motivaram o aumento nas vendas de scooters neste ano, como, por exemplo, o incremento de profissionais de motofrete durante a pandemia; ter um meio de locomoção mais rápido e seguro para evitar as aglomerações no transporte público; e, também, o encarecimento do preço dos combustíveis, que impulsionam a migração para veículos mais econômicos “, explica Flávio Passos, vice-presidente de Autos e Comercial da OLX. Modelos mais vendidos Repetindo o que acontece no ranking dos modelos novos, na plataforma de usados a Honda PCX lidera.

O modelo de 150 cc corresponde a 19% das scooters vendidas na OLX entre janeiro e junho deste ano. O motor de 150 cc também é o preferido dos internautas com 47% de participação. A Yamaha NMax 160 é a segunda scooter mais bem posicionada no ranking de participação em vendas e também ocupa a segunda posição da lista dos modelos com maior crescimento em vendas do semestre, com 65%

Honda Elite 125 - Divulgação - Divulgação

Mas quando o assunto é crescimento em vendas, outro modelo Honda é o campeão: a Elite 125 conquistou o maior crescimento em vendas de janeiro a junho, com incríveis 122% de alta. Confira abaixo as cinco scooters mais vendidas na plataforma no 1º semestre deste ano – e o percentual de crescimento nas vendas em comparação ao mesmo período de 2020

Modelo – % participação – % crescimento

Honda PCX – 19% – 16%
Yamaha NMax – 6% – 65%
Suzuki Burgman – 5% – 8%
Yamaha Neo – 5% – 13%
Honda Lead – 4% – 13%

O Setor de Motopeças, em todos os estados, tem despertado o interesse de investidores e motivando os empresários que já atuam na área a investir em ampliação, renovação de estoques e expansão de suas atividades.  Acreditamos que esse é um momento de empresas e profissionais buscarem melhorias em seus processos de gestão.  Por isso lançamos em março o 1º curso exclusivamente voltado para Lojas e Distribuidores de Motopeças.  O Curso on-line GT2R – Gestão Turbo 2 Rodas, oferece uma consultoria para implantar as melhores práticas de gerenciamento e controle para empresas do setor.

Conheça melhor o treinamento que está transformando a vida de Empresários no setor de Motopeças! Acesse agora:  www.gt2r.com.br

Assista abaixo o vídeo com a análise completa dos indicadoresde crescimento do mercado em geral:

Venda de motos cresce 45% em 2021

Venda de motos cresce 45% em 2021

Indicadores do mercado de motos 2019 – 2020 – 2021.

Publicamos recentemente em nosso canal do Youtube um vídeo com uma análise completa de indicadores de produção e frota de motos com a evolução de 2019, 2020 e 2021. 

Entenda como a Pandemia afetou os resultados do setor. 

Na publicação desse vídeo recebemos o resultado do mês de junho fechando esse primeiro semestre de 2021 com 568.863 motos produzidas no Brasil contra 392.217 no mesmo período do ano passado. 


Observa-se um aumento de 45% sobre 2020, quando tivemos os meses de abril e maio praticamente sem produção. 

Se compararmos com a produção de 2019 (534.100 motos) estamos com um crescimento de 6,5%

Números animadores para o setor que ainda não conseguiu normalizar o atendimento da demanda reprimida. A falta de moto 0 Km movimenta a venda de motos usadas e consequentemente o de motopeças e serviços. 

Da mesma forma essas informações garantem a boa fase que vivemos no segmento de reposição de peças e acessórios. 

Além dessas informações trazemos atualizações nos seguintes indicadores:

  • Produção de motos histórico 10 anos;
  • Segmentação por faixa de potência (CC);
  • Frota nacional de motocicletas;
  • Estudo de potencial do mercado considerando habilitações categoria “A”;
  • Desafios de gestão para as empresas do Setor;
  • E …muito mais !
O Setor de Motopeças, em todos os estados, tem despertado o interesse de investidores e motivando os empresários que já atuam na área a investir em ampliação, renovação de estoques e expansão de suas atividades. 
 
Acreditamos que esse é um momento de empresas e profissionais buscarem melhorias em seus processos de gestão. 
 
Por isso lançamos em março o 1º curso exclusivamente voltado para Lojas e Distribuidores de Motopeças
 
O Curso on-line GT2R – Gestão Turbo 2 Rodas, oferece uma consultoria para implantar as melhores práticas de gerenciamento e controle para empresas do setor. 
 

Conheça melhor o treinamento que está transformando a vida de Empresários no setor de Motopeças! Acesse agora:  www.gt2r.com.br

 

 

Assista abaixo o vídeo com a análise completa dos indicadores:

Precificação de Produtos: O que Considerar?

Como precificar produtos

O que Considerar na Hora de Precificar Produtos?

Descubra como evitar o prejuízo na hora de precificar as peças da sua loja ou distribuidora.

Como precificar produtos

Você tem seu negócio de venda e distribuição de motopeças, mas sente que pode estar perdendo dinheiro toda vez que faz uma venda?

Nesse guia rápido, você vai aprender a evitar o prejuízo na hora de precificar as peças da sua loja ou distribuidora.

Você que tem o próprio negócio deve tomar cuidado para que, no fim do mês, o seu retorno financeiro não seja diminuído por taxas desnecessárias, inadimplência, contratos de fornecimento mal negociados, ou, principalmente, preços errados.

Por mais que você já tenha experiência de anos no ramo, ou precise manter a concorrência para segurar as vendas, dizendo que “o preço é tabelado”, leia as dicas abaixo e descubra o que você deve levar em conta para calcular corretamente o preço dos seus produtos.

Antes de avaliar qual é o Mark Up ideal para aplicar em cada linha de produtos, é fundamental entender o conceito de ponto de equilíbrio para o seu negócio. 

Em uma linguagem muito simples, é o nível de faturamento desejável para permitir que todas as despesas fixas e variáveis sejam pagas, bem como seu objetivo de retirada como pro labore

A partir desse ponto, sua margem de lucro aumenta e sua empresa consegue fazer os investimentos necessários para o crescimento.


1. Custos Fixos

Todo negócio tem custos fixos. São aqueles custos frequentes e contínuos, como aluguel, folha de pagamento, energia e telefone por exemplo. A venda das motopeças na sua loja deve suprir o pagamento dessas despesas.

Primeiro, identifique seus custos fixos. Dessa forma você sabe qual valor precisa entrar na sua empresa para manter esses custos.

E aqui vai o principal alerta para administrar seu negócio: O que entra no caixa da empresa, ou seja, sua receita, não é sua disponibilidade para pagar as despesas, pois o custo das mercadorias deve ser abatido para cálculo de sua margem;

Como diz a sabedoria popular: “apurado não é lucro”. Por isso, é importante ter um registro de tudo o que está sendo vendido para verificar o resultado, segundo a equação: 

[ Valor total de venda (-) Valor total de custo das mercadorias ]

Essa será sua margem de contribuição. Esse valor é o que existe disponível para pagar suas despesas.

2. Preço de Compra das Motopeças

Cada peça ou produto que você compra, tem um valor. 

Ter estoque exige pagar boletos, não é mesmo?

A segunda dica aqui é: 

Saiba quanto cada peça custa para você. Como dissemos acima, esse valor deve ser subtraído do seu valor de vendas, pois é para pagamento de fornecedores. Afinal de contas, você precisará repor seus estoques.

Se você compra uma bateria por R$200,00 e vende a R$250,00, significa que apenas R$50,00 vão ser utilizados para pagar custos fixos e variáveis, e contabilizados no seu lucro.

3. Custos Variáveis

Custos variáveis são custos que variam de acordo com o número de vendas, basicamente quanto mais você vende, mais custos tem. 

Exemplos de custos variáveis são: comissões para vendedores, frete sobre vendas, despesas de remessas, despesas de cobranças e impostos.

Aqui, é importante considerar quanto precisa gastar para atender os pedidos em cada canal de vendas (balcão, e-comerce, atacado).

Em caso de estudar a abertura de novos canais de venda, é importante avaliar os investimentos necessários para estudo de viabilidade. Considere o custo extra por vender, como por exemplo, ter que comprar mais prateleiras e contratar mais funcionários.

Não vale a pena aumentar em R$ 1.000,00 seus custos para vender mais R$ 900,00 em motopeças!

 

4. Margem de Lucro para Motopeças

Existem 3 tipos de margem de lucro:

Desejada: é aquela que você quer ganhar. Aqui as pessoas podem exagerar e perder vendas. Colocam margens exorbitantes e perdem clientes. 

O mesmo pode acontecer de forma inversa. Certas pessoas compram por status e podem não comprar o seu produto justamente por estar “barato demais”. Conheça seu cliente e as práticas da sua região para evitar erros.

Lucro Estipulado pelo Mercado: é aquele obtido quando você olha para seu “concorrente”, querendo entender o lucro dele.  

Não se preocupe com isso, ele pode estar tendo prejuízos, sonegando impostos, faturando em outros pontos e outra infinidade de coisas que você não tem como saber. Tentar precificar somente pelo mercado pode ser um erro fatal.

• Lucro Fixado: por fim, é aquele baseado em tabelas, como ocorre no mercado de revenda de produtos de marcas famosas no mercado, por exemplo.

Se as margens praticadas pelo mercado não são compatíveis com o tamanho da sua empresa, existem algumas soluções, como buscar diferenciações no atendimento que agreguem valor para o cliente.

 

5. Ponto de Equilíbrio de uma Distribuidora de Motopeças

Como falamos na abertura, uma vez conhecendo seus custos fixos e variáveis, agora você consegue calcular seu lucro. Portanto, para saber seu ponto de equilíbrio, terá que responder a essa questão:

Quanto eu preciso vender para cobrir todas as minhas despesas? 

Para chegar nessa informação, você precisa calcular uma média de vendas mensais e comparar com todos os gastos. 

Sobrou alguma coisa? Se não, você precisa cortar gastos, precificar corretamente e vender mais. 

Mas tome cuidado, pois esse último ponto pode aumentar seus gastos na mesma proporção, conforme citamos acima.

 

Quer saber mais?

Se gostou dessas dicas e gostaria de saber como pode melhorar e investir no crescimento da sua Loja ou Distribuidora de Motopeças, fique atento ao nosso conteúdo. Continue navegando pelo nosso Portal para mais informações e notícias do setor de motopeças, deixe seu comentário e acompanhe nossas redes sociais.

A Methodus Consultoria possui especialistas para ajudá-lo a estruturar seu negócio, elaborando um diagnóstico completo sobre a saúde da sua empresa, orientando na implantação de processos, ferramentas e estratégias para um crescimento sustentável e para que você obtenha cada vez mais lucro.

Somos focados no segmento de Motopeças, entendemos as práticas e principais dificuldades do setor. Isso nos permite atuar com agilidade e precisão na busca por soluções personalizadas para nossos clientes. Com base nisso, desenvolvemos o Sistema CRESCER de consultoria para negócios de motopeças.

Ficou interessado? Entre em contato com nossos consultores e conheça a melhor opção para o crescimento do seu negócio.

 

 

5 Pilares que Irão Evitar a Falência de sua Empresa

Sucesso

5 Pilares que Irão Evitar a Falência de sua Empresa

Sucesso

Todo empresário deseja que o seu negócio prospere e obtenha resultados duradouros, crescendo mais a cada dia, concorda?

O desafio de comandar uma empresa exige preparação e conhecimentos específicos de gestão. A vocação intuitiva para negócios não garante a sobrevivência da empresa.

Neste artigo, você vai descobrir os 5 pilares para construir uma empresa de sucesso, evitando resultados negativos e até mesmo a falência. 

Entenda a importância de ter objetivos bem definidos para o futuro do seu negócio, administrar corretamente as contas da sua empresa, gerir com eficiência seus processos e operações  e, por fim, agir de maneira estratégica no que diz respeito a competitividade e liderança. 

Continue lendo e descubra como levar a sua empresa ao nível de sucesso que você deseja! 

1. Planejamento

Ter objetivos bem definidos para o futuro de seu negócio é fundamental para saber quais os caminhos a seguir e quais as decisões mais acertadas a tomar no dia a dia da empresa.

Um planejamento empresarial para um período de 6 meses a um ano, já garante uma meta e uma visão de futuro para que você e sua equipe concentrem energias para buscar um resultado comum.

Exemplo de objetivos ou metas:

·        Aumentar o faturamento em 20%;

·        Aumentar a rentabilidade em 15%;

·        Abrir nova filial;

·        Ampliar a área de oficina para aumentar clientes;

·        Implementar uma seção de boutique com acessórios de
maior valor agregado;

·        Implementar e-commerce.

Fique atento: 

Planejamento sem um plano de ação e sem acompanhamento de indicadores, é somente um exercício de previsão de futuro.

2. Gestão Orçamentária

Falar em administrar bem as contas da empresa, parece uma condição óbvia para qualquer empresário, porém, nossa experiência em consultoria tem nos mostrado que essa área é bastante negligenciada nas pequenas e médias empresas, principalmente por se tratar de empresas familiares em sua maioria.

Confundir receita com lucratividade, falta de clareza sobre os recursos financeiros e sobre o resultado operacional são situações típicas dessas empresas.

Uma pergunta que sempre incomoda empresários e gestores é “qual é o resultado operacional de seu negócio?”. Normalmente a resposta está relacionada ao fluxo de caixa, e o incômodo ocorre porque não sabem exatamente como fazer essa apuração.

Uma gestão orçamentária eficiente, exige o controle das seguintes informações:

·      Apuração das despesas fixas e variáveis, com uma boa estrutura de plano de contas;

·      Acompanhamento do faturamento por produto ou serviço, e de preferência por canal de vendas;

·   Apontamento correto dos custos das mercadorias ou dos recursos para realização de serviços (se for o caso);

·   Registrar as despesas financeiras, taxas bancárias, custo de operações com cartões de crédito, juros e empréstimos;

·        Acompanhar o valor e a variação dos estoques;

·   Registrar todas as retiradas de pro labore para os sócios ou pagamento de despesas pessoais.

O uso de Sistemas Integrados de Gestão (ERP) torna-se essencial na medida em que a empresa movimenta muitos itens, e existem sistemas com custos viáveis para qualquer tipo de operação. 

Atribuir esses controles para a contabilidade da empresa, que normalmente é terceirizada, não garante uma visão gerencial do negócio. Esses recursos devem ficar disponíveis com relatórios e dashboards como ferramentas de decisão para os gestores e sócios.

3. Gestão Operacional

Saber o que ocorre no dia a dia de sua empresa irá evitar surpresas sobre o resultado e sustentabilidade do negócio.

Alguns processos são fundamentais para garantir lucratividade e crescimento:

·        Calcular a precificação dos produtos e margens de rentabilidade;

·        Acompanhar o faturamento diário;

·        Acompanhar o desempenho dos colaboradores;

·        Identificar e dar atenção especial aos principais clientes da empresa;

·        Gerenciar o fluxo de caixa da empresa;

·        Saber os índices de inadimplência.

Não significa que os gestores tenham que estar envolvidos nas atividades operacionais de cada um desses processo, mas implementar indicadores que permitam entender as tendências dos resultados e atuar sempre que necessário para corrigir os desvios e manter a empresa em direção aos seus objetivos.

4. Competitividade

Todo empresário precisa entender que só existe uma fórmula para que seu negócio tenha sustentabilidade:

RECEITA – DESPESAS = LUCRO

Isso também pode parecer óbvio, porém, muitos esquecem que a empresa é somente um gerador de despesas e que a receita está no mercado e na fidelidade dos clientes.

Observar as tendências, riscos e oportunidades que acontecem em seu segmento de atuação, observando concorrentes e fornecedores é o que diferencia os empreendedores de sucesso.

Essa visão estratégica é uma função difícil de delegar e uma característica fundamental que deve ser aprimorada pelo empresário para garantir uma gestão de sucesso.

5. Liderança

Um navio sem comando fatalmente irá navegar à deriva e dificilmente chegará a algum destino seguro. 

Um bom líder sabe onde precisa chegar, organiza sua equipe de forma eficaz, tem o sentimento de autorresponsabilidade, age com proatividade, entende de planejamento e estratégia e, acima de tudo, sabe envolver e motivar as pessoas que fazem parte de seu time.

Para seguir um líder, nós precisamos acreditar em seu sonho, em sua visão de sucesso. 

Por essa razão, encerramos nossas recomendações para que você conquiste seus objetivos como empresário e líder, com um discurso de Abílio Diniz, onde ele nos revela que “o grande segredo dos empresários de sucesso é buscar algo além da lucratividade, uma razão maior, um objetivo mais nobre para que você busque realização e felicidade em seu negócio”.

Lembre-se que você é responsável pela satisfação de seus funcionários e clientes, e que faz parte de um ciclo de geração de riquezas e de vida de muitas famílias.

Conclusão

Ser empresário em nosso país não é uma missão fácil. Muitos irão falhar. Segundo o SEBRAE, 60% das empresas fecham com apenas 2 anos de atividade.

Cabe a nós, empresários, desafiar essa estatística. Para isso, precisamos nos preparar, aprender, ter humildade para estender a mão, ajudando ou pedindo apoio. 

Buscar conhecimento com aqueles que já trilharam o caminho é sinal de maturidade e visão estratégica, é navegar usando tecnologia, encurtando o caminho para o sucesso.

A Methodus Consultoria possui profissionais com experiência de mais de 20 anos no mercado de Motopeças e tem trabalhado com Distribuidoras, Fábricas e Lojistas na implantação de processos de Gestão, otimizando resultados e competitividade.

Através da Metodologia CRESCER, desenvolvida e comprovada pelos resultados positivos obtidos por nossos clientes, temos soluções adequadas para cada perfil de empresa. 

Entre em contato com nossa equipe se deseja encontrar soluções viáveis sob medida, traçando caminhos seguros para o seu negócio.

Conte conosco!